segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

É só para relembrar



Que  já estamos em 2017 mas...

continuam a chegar refugiados à Europa;

continuam os atentados terroristas;


aumenta a tensão entre a Arábia Saudita e o Irão;

a Coreia do Norte, governada por um doido, é uma potência nuclear;

 o crash financeiro na China poderá desencadear uma nova crise financeira à escala global;

o Daesh continua vivo e não será desmantelado apenas com bombas, porque muitos dos seus fanáticos militantes vivem na Europa;


a Europa continua mergulhada numa profunda crise;


a crise não se resolve com  austeridade, mas com solidariedade;

a solidariedade é impossível, enquanto cada país pensar apenas por si e não com um espírito europeu;


Se não houver espírito europeu, a crise instalada contribuirá para aumentar as desigualdades;


o aumento das desigualdades aumenta o descontentamento das populações;


as populações descontentes  deixam-se facilmente seduzir pelo canto da sereia da extrema direita;

a extrema direita está a crescer em todo o espaço europeu, fomentando a xenofobia;


a xenofobia conduz à violência;


a violência faz aumentar a ameaça de desintegração europeia;

apesar de tudo isto, os portugueses voltam a endividar-se como se não houvesse amanhã;

os bancos continuam a conceder crédito ao consumo sem grandes objecções, porque sabem que os contribuintes cá estão para pagar o crédito mal parado.

Publiquei este texto aqui em Janeiro de 2016 mas um ano depois mantém-se actual.
Há um ano apenas incluí mais esta frase:

"o espaço europeu ameaça desintegrar-se se, ainda este ano, os ingleses votarem a favor da saída da UE".
Concretizado o Brexit, este ano novos desafios se colocam na Holanda, Itália França e Alemanha, que poderão precipitar a inevitável desintegração europeia. Salvo se, por milagre, aparecer por aí um qualquer líder europeu que ponha esta gente toda a reflectir sobre os erros que cometeu durante o percurso que colocou a UE em estado comatoso.

3 comentários:

  1. A mudanca de ano nao vai em nada modificar a situacao politica e social que se viveu nos ultimos anos... e apenas mais um ano... quem ganhar as eleicoes vai determinar se a situacao estabiliza ou piora...

    Os meus "vizinhos" vao ter um grande impacto na situacao global.... e nao creio que va ser de uma forma positiva.

    ResponderEliminar
  2. E Israel é o maior construtor dos melhores e mais mortíferos drones, para saber tudo o que se passa e destruir onde quiser. Portanto ninguém pense que eles alguma vez mudarão de estratégia.
    A Europa não vai até aos Urais e tudo isto vai dar uma grande reviravolta.

    ResponderEliminar