segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

A (nova) doença das vacas loucas



Aconteceu no fim de semana:
Theresa May  foi aos EUA elogiar Trump e de lá partiu para a Turquia para conversar com Erdogan, a quem agradeceu o que fez para preservar a democracia turca. ( esclareça-se que foi depois de Erdogan ter assinado o cheque para pagar uns brinquedos de guerra que May lhe impingiu)
Por cá Teresa Morais - a deputada do PSD que há semanas gritava como um bezerro desmamado na AR, porque um secretário de estado alvitrou que um deputado do PSD sofreria de incapacidade  cognitiva temporária - veio acusar António Costa de baixo nível, porque o pm teve o desplante de afirmar que o PSD mostrara a sua irrelevância política ao chumbar a TSU.
Entretanto  Nikki Haley, a  nova embaixadora dos EUA junto da ONU mugia  alarvidades como esta:
Portanto, meninos, fiquem a saber que se não se portarem bem vão para a lista negra e depois o tio Trump chama o carrasco para umas sessões de tortura.
São conhecidas as causas da doença das vacas loucas que abalou a Europa na última década do século passado. Nesta segunda década do século XXI, ainda são desconhecidas as  causas  que levam  mulheres, obnubiladas pela fragância do poder, a proferir estas  insanidades, próprias de animais  irracionais. Como as vacas.

3 comentários:

  1. Para quem quer começar a semana em modo tranquilo, este texto é uma maldade.
    Posso explicar? Explicarei!
    Falar de Theresa May, de Teresa Morais e de Nikki Haley no mesmo espaço é uma tortura.
    Dito isto, o melhor é ir andando antes que o tio Trump resolva, através da Nikki, anotar o meu nome.
    Boa semana, Carlos.

    ResponderEliminar
  2. Ouch!!!
    Eu fiquei a pensar numa triviliadade (a minha capacidade cognitiva ainda está intacta esta manhã): por que seria que Trump e Theresa andaram de mãos dadas?! : ))
    Também ouvi essa do anotar os nomes. Que parvoíce.

    ResponderEliminar