sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

A descida da TSU beneficia os mais desfavorecidos

Para obter a concordância dos patrões na fixação do salário mínimo em 557€, o governo comprometeu-se a reduzir a TSU paga pelos patrões.
Já aqui manifestei a minha discordância com esta medida, embora ressalvando que se  essa foi a única forma de garantir a melhoria das condições de vida de milhares de famílias, talvez se justifique.
Ninguém esquece a gigantesca manifestação de setembro de 2012 contra a redução da TSU. Embora esta redução não seja comparável com a proposta pelo governo anterior, compreende-se que BE e PCP  mantenham a coerência e  manifestem desagrado por esta cedência de António Costa. Afinal, trata-se de abrir um precedente perigoso, que pode vir a justificar medidas mais gravosas num futuro próximo. Até porque- nunca é demais lembrar- os patrões são demasiado gulosos. Já tinham uma redução de 0,75%, concedida por PPC e agora, para aceitarem o aumento do salário mínimo quase exigiram o dobro (1,25%).
A questão deverá ser debatida em breve na AR , por iniciativa do BE. O PSD já avisou que está contra a redução da TSU e o CDS   deverá seguir o mesmo caminho, até porque a descida da TSU foi um sapo que Paulo Portas teve de engolir no anterior governo.
A reversão da medida  terá implicações no acordo sobre o salário mínimo, prejudicando milhares de famílias e esse é um argumento  que o governo irá esgrimir, para tentar dissuadir o BE de avançar com a proposta e  sensibilizar o PCP para votar ao lado  do governo.
Mas se a tentativa falhar, o governo terá ainda possibilidade de recorrer a um outro argumento: a redução da TSU é socialmente justa e beneficia os mais desfavorecidos.
Estupefactos? Eu explico:
Ora isso significa que os patrões têm mais dificuldade em dar respostas aos desafios do mercado global, do que os colaboradores que empregam. Face a estes dados agora conhecidos, a descida da TSU é uma forma de reduzir as desigualdades entre patrões e colaboradores.

2 comentários:

  1. "manifestei a minha discordância com esta medida,"

    discordar com? Corrija lá isso para discordar de. em português bem regido concorda-se com e discorda-se de. e aqui ainda tem de rearranjar a sintaxe para acertar no de.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se o comentário não fosse anónimo eu explicava-lhe porque não tem razão. Como é anónimo, limito-me a dizer-lhe que é burro. Ou burra, Vá descobrir porquê. E quanto a português bem regido não sei o que é. Será a orquestra do Tony Carreira ou da Ágata?

      Eliminar