sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Memórias em vinil (5)



Nunca fui um grande fã desta italo-francesa nascida no Egipto. Confesso, mesmo, que não sei as razões de este disco ter chegado à minha discoteca, pois quando me falam de Dalida, a canção que de imediato me vem à memória  é"Gigi l'amoroso"- que não consta deste álbum. 
Concorrente ao Festival de SanRemo em 1967, com Luigi Trenco, Dalida viveu nesse dia uma experiência amarga. Incapaz de aceitar a rejeição do júri ao tema "Ciao amore Ciao" que ele compusera, Luigi Trenco suicidou-se no quarto do hotel onde ambos estavam hospedados. Ironias do destino, "Ciao amore Ciao" viria a ser um sucesso estrondoso.
Dalida, desgostosa com a morte do seu companheiro, ensaiaria uma tentativa de suicídio um mês mais tarde. Não concretizou os seus intentos,mas mais dois homens da sua vida acabariam por se suicidar.  Ela própria viria a suicidar-se também, em 1987,  mas o pouco entusiasmo que tenho  por Dalida nada tem a ver com esse triste facto, mas sim com a sua voz. Embora sensual, nunca fez vibrar os meus sentidos, nem sequer me fez pele de galinha.
Uma vez que nenhuma das canções deste disco de 1961 me entusiasma ( "vingt quatre mille baisers" foi um sucesso estratosférico)e não quero correr o risco de  deixar alguns leitores deprimidos durante o fim de semana, se  escolher "Ciao amore Ciao", optei por trazer aqui um sucesso de Dalida de 1974  que por acaso até considero interessante.  Além disso, a letra faz mesmo lembrar fim de semana. Por isso, além de boa noite, desejo-vos também um excelente FdS. Divirtam-se com boas músicas.

Duarte Lima pode dormir tranquilo



Duarte Lima está preocupado, porque o processo em que é acusado de ter assassinado Rosalina Ribeiro vai ser julgado em Portugal.
Eu aconselho-o a dormir tranquilo. É que em matéria de crimes de sangue, que se tornaram mediáticos, a tendência é absolver o arguido. 
Veja-se, por exemplo, o caso dos jovens que morreram no Meco durante uma praxe, ou o ainda fresquinho caso dos Comandos, onde as culpas estão a ser  todas atribuídas ao médico. Por ser negligente, esclareça-se, o que no final deverá   traduzir-se numa pena suspensa. ( A propósito, não percam esta noite o Sexta às 9)
Tranquilize-se pois Duarte Lima. Mesmo que seja culpado, nada tem a temer. De qualquer modo, é  menos violento dar umas tareias em dose semanal (ou bi-semanal, vá lá...) do que andar por aí a abater mulheres a tiro. Há sempre um juiz a defender que bater numa mulher na medida certa, não é crime.

Thanks, God! It's (black) Friday




Anda por aí um alvoroço, por causa da Black Friday.  Parece que há  muita gente indignada, porque alguns comerciantes estão a inflaccionar os preços, para dar a ilusão que  hoje  fazem descontos colossais. Não percebo onde está a surpresa. Essa é uma prática que remonta ao tempo  que havia épocas de saldos. 
As minhas preocupações com a Black Friday são as  mesmas que tinha em 2008 e deixei expressas neste post