terça-feira, 18 de outubro de 2016

Assim vai a (nossa) Europa

Vamos  a meio da fase de grupos das competições europeias e não me lembro de um ano em que a prestação das equipas portuguesas tenha sido tão má.
E pensar que quando foi o sorteio, portistas e benfiquistas pensaram que o apuramento eram favas contadas...

Caderneta de Cromos (48)



Quando António Costa anunciou a criação da taxa de 1€ para os turistas que visitem Lisboa, caiu o Carmo e a Trindade.
Pires de Lima, o Platini da Cruz Quebrada, fez um escarcéu na AR, Paulo Portas esganiçou-se a acompanhá-lo no refrão " António Costa que acabar com o turismo" e o  presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras,  considerou a taxa turística   inconcebível e "medieval". 
Ora Carreiras, braço direito de Passos Coelho para a política autárquica, acaba de propor a  criação de uma taxa turística de 1,5€  em Cascais. 
Se Carreiras não fosse um imbecil e um péssimo presidente de câmara, eu até sairia em sua defesa, porque considero descabelados os ataques da hotelaria. Assim, vai para a caderneta.
Quanto aos hoteleiros, deviam preocupar-se mais com a regulação das unidades de alojamento local, do que com uma taxa que nunca impediu o crescimento do turismo em parte nenhuma do mundo. Pelo contrário, contribui para o  preservar.
Em tempo: Defendi a taxa turística em Lisboa e não é pelo facto de um cretino como Carreiras querer aplicar a taxa em Cascais, que mudo de opinião. Quem quiser saber (ou recordar) os meus argumentos, é só clicar aqui

O trolha cientista

Quando o prazo da obra  lá em casa começou a resvalar e  me  apercebi que para além da semana extra, o sr. Justino se preparava para pedir mais uns dias, zanguei-me a sério. 
Compreendendo a minha irritação e- penso eu- já sem argumentos plausíveis para justificar o atraso, replicou: 
- O sr tem de compreender que a construção civil não é uma ciência exacta! Há imponderáveis com que temos sempre de contar.
( Foi assim que percebi a razão de Estado e autarquias aceitarem com tanta bonomia os atrasos nas obras públicas)