quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Nós ( eles) os Ricos



Uma vez que ninguém se indignou com o estudo da Fundação Manuel dos Santos, que concluiu terem sido os mais pobres, os mais prejudicados pela austeridade, também não é expectável que vejamos telejornais a abrir com esta notícia da OCDE.
Os jornalistas em Portugal são personagens daquela série "Nós os Ricos".

Those were the days ( Especial)



O Verão terminou hoje e decidi despedir-me dele à minha maneira. Como antigamente.
No tempo em que não havia blogs nem Internet, as redes sociais não eram espaços virtuais, eu era um adolescente que adorava comunicar por música e francófono assumido, esta era uma das canções que tocava na minha geringonça, insistentemente, no dia em que o Verão se despedia.
Nesse tempo, distante meio século, eu ainda não descobrira o espectáculo maravilhoso de cores que inundavam  Trás os Montes e os vinhedos do Douro da minha paixão.
AVISO: Há dias, um post desta rubrica saiu sem imagem. Já pedi desculpa aos leitores por esse lapso mas agora, se seguirem o link deste texto, podem ver a imagem que estava associada ao post

Cuidado! O whiskey anda marado...

Quando jornalistas, alegadamente licenciados em economia, defendem com profunda convicção que uma família com habitações de valor TRIBUTÁRIO ( não de mercado) superior a 500 mil euros pertence à classe média, começo a desconfiar da sua idoneidade.
Quando esses mesmos jornalistas afirmam sem tibiezas que qualquer família da classe média tem uma casa na cidade e outra na praia, para além de oura herdada dos pais, começo a desconfiar da sua seriedade.
Mas quando esses e outros jornalistas transformam uma frase de uma deputada num encontro partidário, numa medida do governo que pretende taxar o património dos ricos, sem sequer ouvirem a opinião do ministro responsável, então concluo que essa gente perdeu completamente a noção da realidade e vive num mundo só deles, onde constroem  enredos e histórias, que confundem com a realidade.
Partindo do princípio que esses jornalistas não estão todos loucos, nem são desonestos ao ponto de pretenderem intoxicar a opinião pública com notícias falsas, então sou obrigado a concluir que algum agente externo, comum a todos eles, anda a perturbar-lhes o raciocínio. 
A culpa de tanta alucinação só pode ser do whiskey marado que anda por aí à solta na noite. Apesar de a ASAE ter encontrado e apreendido em bares, milhares de litros de whiskey marado, certamente não visitou os bares frequentados por alguns jornalistas.