terça-feira, 30 de agosto de 2016

Carreiras top star

Carlos Carreiras preside a uma Câmara ( Cascais) cujos serviços nao conseguem responder, num mês, a uma pergunta tão simples como esta:
Com que fundamento a Câmara Municipal de Cascais autorizou uma discoteca do Estoril a funcionar até as 8 horas da manha em dias úteis, violando os princípios básicos do bem estar dos cidadãos que precisam de trabalhar e levantar-se a horas decentes e chegar ao trabalho sem serem olhados de viés pelos colegas e superiores hierárquicos, que pensam que ela andou na noite e se marimba para o trabalho?  
Obviamente que os serviços da Câmara  conhecem as razoes da autorização, mas eu so ontem fiquei a saber, quando fui informado sobre a identidade do proprietário do Ocean Clube do Tamariz.
No entanto, Carlos Carreiras obriga os bares de Cascais com música ao vivo a suspenderem os trinados a partir da meia noite, alegadamente, para nao perturbarem o sossego dos moradores. E segue o mesmo principio durante as Festas Do Mar, o que indicia uma coerência que o presidente da edilidade cascaense nao tem em relação aos moradores do Estoril. 
Este mesmo Carlos Carreiras deu uma entrevista ao DN de ontem, onde tenta passar uma imagem de pessoa de bem. Pelo meio,
manda umas farpas a António Costa, colocando em causa a sua capacidade para liderar o pais e anunciando a desgraça num futuro próximo. Insiste que Passos Coelho nos salvou e admite que o líder do PSD volte (num dia de nevoeiro?) para repor as coisas na ordem. 
Com a cumplicidade da jornalista que o entrevistou, tendo o cuidado de nao colocar questões que o comprometam, Carlos Carreiras nao enunciou uma única medida concreta do seu mandato que tenha contribuído para melhorar a qualidade de vida no concelho, mas deu uma informação preciosa que revela a sua estatura moral:
Em plena crise, durante uma das cerimonias festivas de que tanto gosta, Carlos Carreiras pressentiu que havia gente que ia causa problemas, quando terminasse a cerimonia. 
Decidido, dirigiu-se ao "agitador" e perguntou:
"Nao me conheces?"
O homem terá ficado aflito e perguntado de onde e que Carreiras o conhecia.
Nao estivemos presos os dois juntos?-perguntou Carreiras
O homem terá confirmado que tinha estado preso e dito o nome do estabelecimento prisional onde estivera, ao que  Carreiras retorquiu dizendo que ele estivera no Linho, por isso tinha confundido o interlocutor.
A conversa ficou por ai, mas alguém na comitiva terá perguntado a Carreiras se alguma vez tinha estado preso.
"Nao, mas resolvi o problema"-respondeu Carreiras.
Esta historieta e bem capaz de ser gargaleira de Carlos Carreiras, mas admito, sem rebuço, que o homem de aos serviços instruções semelhantes, para perguntas incomodas dos municip


Mas que grande cena, meu!


Aviso prévio: este post foi escrito e publicado no Onthe rocks em Setembro de 2014. É apenas uma "Cenas de Taxis" que publiquei lá e aqui no CR, cuja reedição hoje inicio. O intuito  é recordar que o melhor é mesmo recorrer aos serviços da UBER sempre que precise de um táxi

Eu sei que há taxistas burlões em todo o lado mas, talvez por já estar em “modo férias” este que me caiu em sorte no Porto, na ultima sexta –feira, irritou-me ferozmente.



Chegado a Campanhã, apanhei um táxi. Levava a pasta-mala habitual por cujo transporte nunca me cobraram, mas o taxista obrigou-me  a pô-la na bagageira, alegando que ultrapassava as dimensões mínimas regulamentares.



Decidi não protestar porque o taxista era demasiado mal encarado  ( é quase um pleonasmo, porque mais de 90% dos taxistas sofrem desse mal) e não me apetecia arranjar discussões.  Mentalmente, decidi imediatamente que ia apresentar queixa dele, mas entrei no carro disposto a pagar o que ele me cobrasse.



Enquanto ele subia a Fernão de Magalhães a uma velocidade louca, cometendo várias transgressões, apercebi-me que ia ter problemas quando chegasse, porque o homem não marcou no taxímetro o 1,60€ do transporte da bagagem.



Assim que cheguei às Antas, as minhas suspeitas confirmaram-se. Quando ia pagar o que estava marcado no taxímetro, o homem  lançou um “Ah! Esqueci-me de marcar o transporte da bagagem!”

Azar seu- respondi. Só pago o que estiver marcado. 

Felizmente tinha dinheiro certo sem precisar de troco. Pedi recibo  e entreguei-lhe o dinheiro certo. Depois de ter a mala comigo, obviamente

Então e o transporte da bagagem?- perguntou o mal encarado

Já lhe disse que não pago mas, se quiser, chame um polícia.

Meteu-se imediatamente no carro enquanto vociferava  em altos berros: Grande FDP, vai para a PQP!



Entrado em casa, telefonei para a radio táxi e apresentei queixa. Obviamente que não dará em nada e o ToZé ( assim se chamava o motorista) vai continuar pelo país a roubar os clientes e o patrão.

De qualquer modo, fica aqui um aviso aos leitores do Porto ( ou que se deloquem ao Porto de comboio)



Se encontrarem um táxi com a matrícula 00-EV- 29, pertencente à Auto Taxis Clesil,  de Vermoim- Maia, perguntem ao condutor se se chama Tozé. Se for, o melhor é não entrarem, porque o homem, além de antipático, é um grande vigarista!

Adenda:  Já o taxista que me trouxe hoje a Campanhã para apanhar o comboio de regresso a Lisboa era de uma extrema simpatia e educação. E, obviamente, nada me cobrou pelo transporte da pasta-mala.