terça-feira, 21 de junho de 2016

O regresso do Grilo Falante


Já  há umas semanas se sabia que Roma iria ser dirigida por uma mulher. Ontem, a segunda volta das eleições autárquicas em Itália confirmaram a vitória de Virginia Raggi, candidata do Movimento 5 Estrelas.
As mulheres em Itália sempre  tiveram dificuldade  em alcançar lugares políticos de topo, pelo que  a escolha de uma mulher para dirigir a capital italiana era algo impensável há poucos anos. Beppe Grillo, porém, apostou nas mulheres e além de uma vitória histórica em Roma, conseguiu também eleger prfesidente a sua candidata em Turim,
A vitória de Virginia Raggi surpreende, também, porque  ela manifestou a sua oposição à candidatura de Roma aos JO de 2024 e desferiu fortíssimos ataques à Mafia.
Contrariando o que escrevi em 2013 sobre o Movimento 5 Estrelas,  Beppe Grillo regressa à ribalta especialmente graças a duas mulheres. 
Não é claro que os resultados das eleiçõea autárquicas em Itália reflictam o sentido de voto numas legislativas, que poderão estar próximas, se em Outubro o  referendo convocado por Matteo Renzi para alterar o sistema político for rejeitado pelos italianos.
Nesse caso haverá legislativas antecipadas e ficar-se-á a saber  se o 5 Estrelas pode aspirar a voos mais altos ou, pelo contrário, a grande beneficiada não virá a ser a extrema direita. É que Georgia Meloni, candidata que ficou em terceiro lugar na primeira volta das eleições de Roma, diz-se admiradora de Mussolini e  admite ter uma boa relação com o fascismo, sendo apoiada pela Liga Norte.
Entre a vitória de uns radicais de extrema esquerda absolutamente loucos e uma extrema direita ansiosa por regressar ao poder para acabar o trabalho de Mussolini e Hitler, venha o diabo e escolha. Vêm aí dias difíceis e Itália será apenas mais um problema para esta Europa feita em cacos.
 

O salteador da Caixa perdida

Ele tinha avisado ao que vinha antes de ser eleito



Desta vez não se trata de má fé, atirar poeira para os olhos, mentir, ou fingir que não é nada com eles. Não, desta vez, trata-se mesmo de  assumir que o objectivo é a privatização e, muito provavelmente, ganhar uns trocos com isso. Ou, no mínimo, uns tachos por fora da actividade política para a pandilha onde ele se move.
Pedro Passos Coelho há muito que deixou de ser um mero canalha, para se transformar num saqueador do nosso património, que entrega aos interesses privados mais convenientes para o PSD. Tudo em nome do interesse do país, obviamente
Abaixo de cão!

As vacas e a publicofobia

Ontem um professor de  uma  escola pública pediu   aos alunos para escreverem uma redacção sobre a vaca. Esta manhã, o  Zequinha  foi o primeiro a ser chamado a ler o que tinha escrito.
"Nos últimos tempos aprendi muitas coisas sobre as vacas.
Eu já sabia que as vacas francesas também riem como a hiena mas, como nunca fui a França, nunca as vi rir. Só sei isso porque ouvi o meu avô um dia dizer ao meu pai que uma vaca francesa lhe tinha roubado 5000 francos numa noite em Paris e  devia estar-se a rir por ele ser tão parvo.
A vaca de que o meu avô fala deve ser aquela que tem uma fotografia nuns queijos, mas não tenho a certeza. A conversa do meu avô é que nunca me saiu da cabeça.
Eu pensava que as vacas eram muito infelizes porque todos os dias alguém lhes espremia as mamas para nos darem o leite, mas fiquei a saber há uns meses, por um senhor que era presidente da República, que pelo menos as vacas dos Açores  são  felizes. Não sei se a D.Helena Matos é açoreana, mas sei que ela também  gosta que lhe apalpem as mamas, porque li isso na Internet e por isso deve ser muito feliz.
Há umas semanas vi o senhor primeiro ministro mostrar aos portugueses uma vaca que voa. Eu não a vi voar, mas a verdade é que a vaca tinha asas e se este  senhor primeiro ministro diz que ela voa, é porque é verdade, porque o aldrabão já se foi embora.
Portanto, em menos de um ano, aprendi que as vacas são felizes quando lhes apalpam as mamas e que também podem voar. Pensei que já tinha aprendido tudo mas, no sábado, fiquei a saber que as vacas também falam. Ouvi uma vaca dizer, durante um almoço, que não ia à manifestação em defesa da escola pública porque estava lá a FENPROF.
Eu não sei o que é a FENPROF, nem a razão de aquela vaca ter tanto medo dela, a ponto de a impedir de ir a uma manif em defesa da escola pública,  mas também não me  preocupei em saber, porque fiquei demasiado espantado quando vi que as vacas falavam e não gostam da escola pública.  Devem sofrer de publicofobia.
No sábado também percebi que há vacas muito mentirosas que não sabem fazer contas e devem ver muito mal, mas isso é outra história onde não me quero meter, porque se disser mal daquelas vacas corro o risco de ser acusado de bêbado. Gostava era de saber qual é a doença das vacas mentirosas. Tenho uma ideia, mas não tenho a certeza, por isso o melhor é terminar por aqui".