sábado, 11 de junho de 2016

Dia do Postal Ilustrado (7)


O postal desta semana foi enviado pelo Rogério. É um postal muito bonito e muito criativo, como podem constatar mas, como o Rogério também é avinagrado em relação às regras, não enviou pelo correio normal e, ainda por cima, o código postal está errado, porque o Rochedo não fica em Lisboa, mas sim no Guincho.
Resumindo: depois de tantas bolandas, o postal lá  chegou mas,  ou porque apanhou um banho, ou andou à chuva de Maio, o texto tinha-se apagado. Agora, para ler as palavras que o Rogério me dirigiu ( muito bonitas, aviso desde já...) terão de as procurar aqui.
Entretanto deixo esta mensagem cantada ao Rogério, para que na próxima vez não se distraia e envie o postal pela via normal.
As palavras são de Frederico de Brito e a voz é de Alberto Ribeiro que, se a memória não me falha, era um lídimo representante do nacional cançonetismo.
Como a mensagem não é privada nem está cifrada, convido todos os leitores a ouvirem-na ( depois de lerem o texto do postal do Rogério, obviamente...)





Cuidado com a overdose!

A partir de hoje, vai ser um fartote de bola.
Com a  Copa América a decorrer desde a semana passada ( a final será dia 26) e o Europeu que começou ontem, a prolongar-se até 10 de Julho, os canais de televisão tugas vão transmitir, entre hoje e dia 25 uma média de seis jogos diários. Ou seja, 9 horas de bola, sem contar com prolongamentos,  entre as 15 horas e as 5 da manhã!
Tudo na vida cansa, mas o futebol parece imune e preenche cada vez mais o tempo dos amantes de futebol portugueses, que não perdem jogos tão  empolgantes como um Haiti- Bolívia ( durante a madrugada) ou um Albânia- Roménia em horário laboral.
Conheço pessoas que condicionaram as suas férias de modo a poderem acompanhar a fase final de ambas as competições. Pergunto-me até quando conseguirá o futebol  resistir aos efeitos de uma overdose.
Em Portugal, parece não haver esse receio. Pelo menos é o que sugere o alargamento da I Liga a 20 equipas. O mesmo número de países como Inglaterra ou França e mais do que na Alemanha. Não há quem ponha cobro a isto e grite " O Rei vai nú"?