quarta-feira, 8 de junho de 2016

A onda amarela

Quando ouço as canárias amarelas  gritar que vão ser  vítimas do maior despedimento colectivo da história da democracia, poderia retorquir perguntando onde estavam  quando o governo Passos/ Portas despediu dezenas de milhares de professores e funcionários públicos  para pagar aos colégios privados com  dinheiro poupado em salários.
Mas como o mais provável era responderem-me "com o mal dos outros posso eu bem" ou " que se lixem os malandros dos funcionários públicos", opto por lhes responder com este rap

Dia do Postal Ilustrado ( Especial)


Eu sei que ainda não é fim de semana, mas decidi fazer um Dia do Postal Ilustrado Especial para dar uma boa notícia aos leitores que apreciam postais ilustrados e esta rubrica que recentemente (re)criei aqui no Rochedo.
Descobri, esta semana, que no Jornal 2 de segunda-feira há uma rubrica sobre postais ilustrados da Grande Guerra.
Se quiserem dar uma espreitadela, aqui fica o link.
Entretanto, volto a lembrar os leitores que podem participar no passatempo do CR, enviando os vossos postais  para:
diabilhetepostal@yahoo.com

Vai aproveitar o fim de semana prolongado para viajar?
Então lembre-se de procurar um postal ilustrado e de o enviar aqui para o Rochedo.

A Selva das marionetas

Um país onde a presidente é destituída através de uma golpada, orquestrada por um grupo de revoltosos pouco fiável, já levanta algumas suspeitas, mas se o cenário montado para a destituir se assemelha mais a um circo do que a um Senado, então as dúvidas quanto à bondade dos  revoltosos desvanecem-se.
Quando se fica a saber que o homem que a substituiu e acusou de corrupção está impedido de ser eleito para qualquer cargo público por um período de oito anos e  que pelo menos um ministro foi apanhado em escutas onde confessa que o impeachment da presidente se destinava a impedir a investigação no processo Lava Jato, começa a perceber-se que os revoltosos são um grupo de bandidos.
A confirmação só surge, porém, quando a PGR pede a prisão de um ex-presidente, do presidente do Congresso que liderou a golpada e do presidente do Senado, todos acusados de quererem obstruir as investigações e parar o processo.
Nessa altura, muitos já estarão a pensar que o Brasil é uma selva. Estão enganados. Na selva costuma dominar o mais forte. No Brasil foi assim durante muito tempo, mas com Dilma as coisas mudaram e parece que a justiça tem uma palavra a dizer. Ora isso é o que mais incomoda um grupo de bandidos, ansiosos por um regresso ao passado. Principalmente, quando são os manipuladores de grupos de marionetas de amarelo vestidas, que gritam de forma acéfala aquilo que os bandidos mandam.
Que bom seria se pudéssemos dizer que em Portugal a justiça funciona e prende os poderosos! Infelizmente, nesse jogo de comparações, a única coisa que nos aproxima do Brasil é o traje amarelo das marionetas. Já os manipuladores, por cá, vestem de preto.