domingo, 17 de abril de 2016

Bibó Porto (70): com um cheirinho a Brasil






Já há muito tempo que não  levo os leitores do CR a visitar um café do Porto. Atendendo a que nesta semana  se comemorou o Dia do Café, é o momento indicado para vos levar a visitar um café bem no centro da cidade. Inaugurado em 1933 o noutros tempos conhecido como "café dos músicos" é um dos cafés históricos do Porto que resistiu à voragem devastadora da modernidade servida em balcões assépticos.
Totalmente remodelado em 2003, o Guarany  tem  um ambiente muito agradável e oferece uma variedade de propostas culturais que vale a pena ter em consideração, quando visitar o Porto.
Ao entrar neste café, situado na Avenida dos Aliados  perceberá imediatamente, pela decoração, que o nome é uma homenagem aos índios sul americanos e, particularmente, ao  Brasil produtor de café- então primeiro produtor mundial.
Nas paredes poderá apreciar um belíssimo tríptico de Graça Morais, uma imagem de marca da remodelação do Guarany.
Como salientei no início,  o Guarany era considerado o café dos músicos. Quiçá seja essa a explicação para eu nunca ter sido frequentador daquele espaço. Curiosamente, desde a remodelação, já lá fui várias vezes. Quer para tomar um chocolate quente na esplanada,  numa esplendorosa tarde de inverno, quer para assistir a  espectáculos de música sul americana, quer a um recital de poesia. Dizem-me que na época turística que se aproxima, as noites de fim de semana são preferencialmente dedicadas ao fado, mas nada melhor do que se certificar in loco da veracidade do que acabo de escrever. Sei é que o programa musical é muito variado e até já lá ouvi jazz.
Quanto à ementa, o Guarany não será famoso  pela variedade e qualidade- e muito menos barato - mas o cardápio não deslustra e vale bem a pena mergulhar no ambiente deste café histórico, para uma noite diferente.

Uma visita diurna também se aconselha, pois assim poderá ver como o Guarany, tal Gata Borralheira dos cafés históricos, se transforma em algumas noites da semana.
E se optar pela esplanada, a tomar o tal chocolate quente, ou um "fino"  delicie-se a apreciar em pormenor os majestáticos edifícios que bordejam a Avenida dos Aliados.