sábado, 16 de abril de 2016

Eu já desconfiava...

Nunca é demais lembrar

Apesar de estar sobejamente avisado, o Sexta às 9 de ontem mexeu-me com os nervos.
Achei por isso  oportuno repescar este comunicado dos autarcas algarvios, que aqui publiquei em 2013.

NOTA AOS ORGÃOS DE INFORMAÇÃO
FALSA CARIDADE

Nos últimos meses as Câmaras Municipais do Algarve têm vindo a ser contactadas por várias empresas comercias do Norte do país com o objetivo de instalar, gratuitamente em espaço público, contentores destinados à recolha de roupa, calçado e brinquedos usados para alegadamente entregar a instituições de caridade.

No entanto, verifica-se que estas empresas, em vez de entregarem os bens doados pela população às instituições de caridade, servem-se da roupa para fins comerciais, utilizando-a para obterem fibras a custo zero, nas suas empresas lucrativas.

Ou seja, em vez de obterem esses recursos nos mercados habituais, estas empresas aproveitam-se da generosidade da população, a qual pensa de boa fé, estar a prestar um serviço público aos mais carenciados.

Normalmente, pedem a ocupação do espaço público gratuito, envolvem uma instituição de caridade local e prometem kits de roupa. Alguns dos Presidentes das Juntas de Freguesia celebram protocolos com o intuito de ajudar a população local, quando, na realidade, pensando estar a praticar o bem, a quase totalidade da mercadoria é utilizada para fins comerciais.

Os Presidentes de Câmara Municipal consideram esta situação fraudulenta e deliberaram, na reunião ordinária do Conselho Executivo de 1 de abril, alertar as Juntas de Freguesia, escolas, populações e demais entidades que estão a colaborar com estas empresas, para que o deixem de fazer.
O apoio aos carenciados sempre se fez e fará sem estas empresas
Faro, 2 de abril de 2013,
O Presidente do Conselho Executivo
José Macário Correia