sábado, 2 de abril de 2016

Descubra as diferenças...

...entre solidariedade masculina e feminina

Certa noite uma mulher não voltou para casa.
No dia seguinte, ela disse ao marido que tinha dormido na casa de uma amiga.
O homem telefonou para as 10 melhores amigas da mulher.
Nenhuma sabia de nada!
Certa noite um homem não voltou para casa.
No dia seguinte, ele disse à esposa que tinha dormido na casa de um amigo.
A mulher telefonou para os 10 melhores amigos do marido.
Oito deles confirmaram que ele tinha passado a noite na casa deles, e dois disseram que ele ainda estava lá a tomar banho!

Meu Brasil brasileiro

Não queria  voltar a escrever aqui sobre o que se está a passar no Brasil, mas o que aconteceu no último domingo foi demasiado grave para ser ignorado. Já temo desde o início desta palhaçada, mas temo agora ainda mais, que  esteja aberto o caminho para uma golpada militar, porque a breve prazo o país estará ingovernável.
Não auguro nada de bom e as minhas críticas nada têm a ver com gostar ou não do Brasil, ou dos brasileiros. É apenas a constatação daquilo que sempre disse sobre um país onde estão as minhas origens: o Brasil é demasiado grande para não ser levado a sério, mas demasiado pequeno quando olhamos para a sua classe política.
O tecido social também não ajuda. Aquela parte da classe média onde se  alberga tanto vigarista e sem vergonha que se lança na política para subir na vida, é a mesma que não tolera a ascensão dos mais pobres, porque é à custa deles que mantém alguns dos seus privilégios.
Finalmente- há que reconhecê-lo- existem dois Brasis. Aparentemente inconciliáveis, que têm permanecido unidos artificialmente. Até quando?

E quem vai cantar "Sitting on the dock of the bay?"


Lisbon South Bay: a margem sul do futuro


Não tenho dados que me permitam afirmar se a campanha "Allgarve" teve sucesso, ou foi votada ao fracasso, mas uma coisa me parece inquestionável: foi uma demonstração de parolice  ministerial, protagonizado por Manuel Pinho.
 Quase uma década depois, o vírus da parolice voltou a atacar, por iniciativa do governo Passos/Portas, mas agora mais perto de Lisboa.
Para promover um projecto de requalificação de antigas zonas industriais da margem Sul e captar investimento, os municípios de Almada, Barreiro e Seixal e a empresa pública Baía do Tejo lançaram um programa de promoção denominado " Lisbon South Bay".
Segundo os próprios promotores, alguns investidores nacionais já manifestaram interesse, especialmente na Cidade da Água, um enorme projecto imobiliário  que incluirá  ocupará os terrenos que pertenciam à LISNAVE. Numa área de cerca de 900 hectares, irão nascer edifícios de habitação, hotéis, equipamentos culturais, centro de congressos e uma marina.
A nível internacional, a promoção começou esta semana em Cannes mas  a empresa Baía do Tejo esclareceu a comunicação social que a grande aposta  será feita no Brasil, onde em breve irá iniciar-se um roadshow promocional.
Que me conste, a língua oficial do Brasil ainda é o português, por isso, ouso perguntar aos técnicos de marketing que engendraram a campanha, se não seria mais lógico encontrar uma denominação apelativa em português.
Eu sei que brasileiro tem paixão por tudo quanto fale inglês, mas parece-me que "Lisbon South Bay" denota uma grande dose de parolice, capaz de rivalizar com a campanha do Allgarve.
Já agora, sugiro que encomendem ao Anselmo Ralph uma versão aportuguesada de "Sitting on the dock of the Bay"