terça-feira, 29 de março de 2016

Resmas de gajas



Primeiro era por causa dos ataques de Colónia, depois era para agradar aos muçulmanos, agora é para  as mulheres se sentirem mais seguras. Um dia destes será só porque sim.
E as pessoas deixarão de se indignar, porque  o cérebro já não reage e ( moral da história) as novas tecnologias evoluem no sentido inverso da civilização

Salada de frutas


-E agora? Vai uma sobremesa?
-Traga-me a lista por favor...
O cardápio era ilustrado e chamou-me a atenção a salada de frutas tropical ( especialidade da casa),
Oferecendo-se  numa variedade quase esdrúxula,  de fazer salivar qualquer palato, a salada exibia-se em recipiente de vidro de formas florais, onde pontificavam a manga e a papaia, o kiwi e o ananás ( ou seria abacaxi?). Duas uvas e  dois morangos espreitavam a medo entre a tropicália sumarenta, assumindo-se como intrusos no bacanal fruteiro.
Salivando, apontei sem hesitar a foto que ilustrava a minha escolha, com a mesma lascívia de um adolescente perante a foto de uma voluptuosa actriz de cinema seminua. ( Refiro-me aos adolescentes do meu tempo, obviamente, porque nos dias que correm uma criança de 7 anos, em pesquisas pela internet, rapidamente se familiariza com as intimidades dos corpos de top models, actrizes ou simples cidadãs anónimas, que exibem as suas formas, na expectativa de um qualquer navegador internáutico as descobrir e tirar do anonimato).
Mas adiante...porque as protagonistas desta história, embora descascadas, são apenas frutas  que, depois de colhidas e cuidadosamente preparadas, têm por função  animar o palato de seres viventes   e, como destino final, estômagos mais ou menos elaborados.
Segundos depois, o empregado depositou à minha frente o recipiente de formas florais igual ao da foto, mas a lascívia deu lugar à decepção, quando comecei a desbravar a corola. Nela se acolhiam apenas gomos de laranja, rodelas de banana e pedaços de maçã  cortados sem critério. No meio daquela insipidez despontava meia rodela de kiwi e metade de um morango, ambos fazendo lembrar náufragos que deseperadamente lutavam para alcançar uma banca de fruta onde estivessem a salvo.
Chamei o empregado e perguntei:
- Esta é que é a salada de frutas tropical?
- Exactamente
-  Pode dizer-me o que tem esta salada a ver com a da fotografia?
- O senhor desculpe, mas a fotografia é apenas ilustrativa. Não quer dizer que a cozinha ponha os frutos que aí estão. Põem o que  há, todos os dias varia
- Ai não? Então pode levar a salada de frutas. Traga-me o café e a conta.
Imaginei o ruborescer das frutas, ofendidas pela rejeição e envergonhadas por regressarem à cozinha intactas. O que iria a cozinheira pensar  de umas frutas enjeitadas? O mais certo era serem atiradas para o caixote do lixo, ou  acabarem no estômago de um qualquer animal doméstico esfomeado.
O empregado trouxe-me o café e a conta.
Tirei da carteira uma nota de 20€, fotografei-a e chamei o empregado.
Mostrei-lhe o telemóvel e disse:
- Pode ficar com o troco
- Desculpe, não   estou a perceber.
- Não percebe? Isto é uma nota de 20€ para eu pagar a conta 
- Mas é uma fotografia...
Claro! Como a salada de frutas. É apenas ilustrativa...

Só uma palavrinha, sobre os negócios da morte

Só para dizer que o desastre que provocou a morte de 12 emigrantes tem todos os contornos de crime. Um crime que poderia ter sido evitado, porque  a forma como as pessoas são transportadas só escapa a quem não quer ver.
Quem  entra em Portugal pelas fronteiras de Quintanilha, Miranda do Douro ou Vilar Formoso, especialmente à sexta feira,  foi certamente confrontado com o espectáculo de carrinhas apinhadas de trabalhadores ziguezagueando  pela estrada em bailados a alta velocidade, As manobras perigosas multiplicam-se ( especialmente as ultrapassagens) os limites de velocidade não são respeitados, a lotação é largamente ultrapassada.
De vez em quando há um acidente, as pessoas lamentam, os familiares das vítimas choram, mas ninguém faz nada para acabar com esta roleta russa que é o negócio das viagens dos emigrantes transportados  ilegalmente.
 Era só isto que vos queria dizer antes de vos desejar boa noite.