quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Dê lá o seu palpite

Sabendo-se que Passos Coelho não se governa com o salário de deputado e que o amigo Relvas está em franca recuperação da  sua influência e poder, é oportuno perguntar: depois dos cursos fantasma de formação profissional e da  Tecnoforma, qual será o negócio que a dupla Passos/Relvas irá fazer desabrochar nos próximos meses?
Se Carlos Costa der o seu aval, diria que temos novo banco na forja,  cuja falência os portugueses hão-de pagar. Qual é o seu palpite?

Há coisas fantásticas, não há?

No dia em que Passos Coelho, seguindo as pisadas de Paulo Rangel e outra canalha laranja, foi a Bruxelas avisar os investidores para os perigos que correm se investirem em Portugal,  os mercados reagiram com uma forte queda dos juros da dívida pública portuguesa.
 O chefe da escumalha anda com azar!

Descer o IVA da restauração é uma boa ideia?


Sempre manifestei a minha discordância com a descida do IVA para a restauração. Nem vai beneficiar os consumidores, nem criar emprego, nem melhorar a qualidade do serviço na maioria dos restaurantes. 
E é sobre este último ponto que vale a pena reflectir. Há por aí restaurantes que pura e simplesmente deveriam ser fechados, por manifesta falta de qualidade dos produtos ( nem me atrevo a falar da qualidade culinária)  deficiente manipulação e conservação.
Muitos estabelecimentos de restauração não têm condições de higiene. Ainda há tempos, na sequência do encerramento de vários restaurantes chineses, pela ASAE, a RTP fez uma reportagem sobre a falta de higiene em restaurantes de comida portuguesa. Lembro-me, entre outros casos, de um restaurante onde as batatas eram lavadas no caixote do lixo.

Ontem, a ASAE divulgou o vídeo (ver acima) que nos devia fazer pensar sobre as porcarias que comemos, mas também devia ser um alerta para o governo que deve, urgentemente, devolver à ASAE os meios e condições que o anterior governo irresponsavelmente lhe retirou. Uma irresponsabilidade criminosa.
A falta de higiene é um problema de saúde pública, que pode originar casos delicados que custam muito dinheiro ao Estado. Estar a premiar com a descida do IVA, em pé de igualdade, restaurantes de qualidade e espeluncas é uma injustiça.
Espero, por isso, que o governo volte a dar condições à ASAE para fazer uma fiscalização eficiente que permita separar o trigo do joio.  Deixar laborar restaurantes muito bem encadernados, mas que não oferecem condições de higiene e salubridade, é  enganar os consumidores e lesar os contribuintes. 
Finalmente, devo dizer que concordo com a manutenção do IVA em 23% nas bebidas, nomeadamente o vinho.  A margem de lucro no vinho ( por vezes chamar vinho a verdadeiras mistelas apresentadas como  “da casa” é um insulto!) chega a ser escandalosa em alguns estabelecimentos onde um copo de do precioso néctar custa mais do que uma garrafa numa loja de vinhos gourmet.