domingo, 24 de janeiro de 2016

Rescaldo da noite eleitoral : e o Alegre se fez triste

Assim que começaram a ser conhecidos os resultados, foi estalando o verniz em alguns candidatos e seus apoiantes.
Um dos casos mais tristes foi a reacção de Manuel Alegre ao resultado desastroso de Maria de Belém. O poeta não tem legitimidade para fazer as acusações que fez ao PS, pois ele próprio dividiu o PS nas duas anteriores  eleições presidenciais. Acresce que se alguém dividiu e tentou provocar uma cisão entre os socialistas foi Maria de Belém, pela forma como anunciou a sua candidatura. Já durante a campanha, muitas vezes escolheu como seu adversário Sampaio da Nóvoa em vez de Marcelo.
A boa notícia desta noite  é que depois deste desastre eleitoral, o "segurismo" tem os dias contados. Assis e a sua trupe podem desfazer a tenda e filiar-se no PSD, ou formar outro partido, mas tenho esperança que nunca mais tenham voz activa no Largo do Rato.
A vitória de Marcelo Rebelo de Sousa não é um desastre. Apesar de ser uma pessoa imprevisível, é expectável que restitua ao cargo o prestígio que Cavaco lhe roubou. E não acredito que vá para Belém fazer fretes ao PSD. Pelo menos enquanto Passos Coelho estiver à frente do partido, pois Marcelo não vai esquecer a cena do catavento.
É também por isso, que António Costa não deve estar desagradado nem desconfortável com a eleição de Marcelo.
O perigo de uma desagregação deste governo está mais ameaçado pelas ondas de choque que podem eclodir do confronto entre o resultado magnífico de Marisa Matias e o resultado desastroso de Edgar Silva. Como reagirá o PCP a esta subalternização face ao Bloco de Esquerda, que confirmou os resultados das legislativas? A resposta pode ser muito preocupante...

Resumindo é isto...

Já toda a gente sabe o final da novela, mas alguns dos protagonistas tentam fazer crer que a comunicação social está enganada e o final é uma surpresa bem guardada.
Além disto, há a registar os péssimos resultados de Maria de Belém e Edgar Silva. Ver estes dois candidatos a lutar taco a taco com Tino de Rans, pelo 4º lugar, é no mínimo surpreendente.
Será que PCP e seguristas vão aprender alguma coisa com estas eleições?
Confirmada, também a revelação de uma grande protagonista: Marisa Matias. Não tivesse cometido aquela gaffe com as subvenções vitalícias dos deputados e a surpresa poderia ter sido ainda maior.

Da série jornalismo fantástico


Quando o efeito borboleta inspira o jornalismo do  fantástico,  títulos fantasmagóricos voam para as bancas.

Com os meus agradecimentos à Joana Lopes