quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Tens carradas de razão, Pedro

Em entrevista à RR, Pedro Passos Coelho disse:
 "Se a missão deste governo é desfazer o que o anterior fez, esgota-se em pouco tempo".
Estás cheio de razão, Pedro. O teu governo em quatro anos e meio não fez absolutamente nada. Apenas destruiu, roubou, vendeu ao desbarato e  distribuiu prebendas entre a canalha militante. O pouco  que fez foi sempre em prejuízo de quem trabalha  e isso reverte-se com sentido de justiça, algo que apesar de estar em desuso, a esquerda ainda não esqueceu. Pode, por isso, fazê-lo depressa.

A não perder!



Estreia hoje na RTP a mini série ( 8 episódios) Guerra e Paz, produzida pela BBC.  Os custos de produção foram astronómicos mas diz quem já viu ( estreou  no início do ano em Inglaterra) que o resultado  vale a pena. Portugal será o primeiro país europeu  a exibir a série. ( Sim, já estou a contar com o Brexit..
A estreia está marcada para as 22h37m, entre Bem vindos a Beirais e Terapia ( uma série portuguesa que estreou a semana passada e que tenho vindo a seguir com curiosidade e alguma expectativa, para ver o que sai dali. Até agora, as sessões de terapia do snipper- à terça feira- foram as que mais me prenderam à pantalha).
À guisa de carta de recomendação, informo os meus caros leitores que a adaptação do argumento de Guerra e Paz para televisão é de Andrew Davies, o argumentista de House of Cards e Orgulho e Preconceito. Convencidos?

Milagres do Cavaquistão

No tempo em que os animais falavam, perdão, governavam, perdão outra vez, o melhor é começar de novo.
Escrevia então eu, que no tempo em que a direita governava, Assunção Cristas  rezava a pedir chuva,
Maria Cavaco convencia o marido que Nossa Senhora tinha feito o milagre de enganar a troika e, para abreviar os exemplos, Calvão e Silva ia a Albufeira avisar os comerciantes que Deus às vezes se zanga.
Pensava eu que este  era um governo de um PS laico, apoiado por partidos laicos, mas afinal enganei-me. O senhor ministro da cultura foi à capital do Cavaquistão e invocou a ajuda divina para conceder o milagre pedido pelo presidente da câmara de Viseu que, por acaso, até foi secretário de estado do anterior governo e, eventualmente, deveria estar em melhores condições  para pedir a ajuda divina.
A laicidade já não é o que era e, um dia destes, ainda vamos ouvir o Jerónimo dizer "Graças a Deus"( a direita foi à vida) e a Catarina " Que Deus nos proteja"( dos mafarricos da direita).