terça-feira, 12 de janeiro de 2016

E que tal um das Caldas?

Lopetegui quer receber prémios de competições que não ganhou.  Diz o ex treinador do FC do Porto que se tivesse continuado a treinar  ganharia todas as competições, por isso tem direito a receber  os prémios.
Lá lata tem o gajo...
Apetece-me dizer que o basco é incompetente como treinador, mas um ás na arte da chulice. Só não digo, porque se ele está a exigir esses prémios é porque o contrato foi mal feito e permite ao ex treinador fazer essa exigência.

Um dia a casa vem abaixo...

Já aqui critiquei a forma ignóbil e bacoca como a presidente da câmara de Colónia reagiu aos ataques  a dezenas de  mulheres em Colónia, na noite de passagem de ano.
Ontem soube-se que  as agressões e tentativas de violação  também foram desvalorizados pela polícia  e, pior ainda, ficamos a saber que a polícia sueca ocultou agressões sexuais contra mulheres, perpetradas por jovens imigrantes durante festivais de música realizados em 2014 e 2015.
Como não acredito que as polícias alemã e sueca sejam uma corja de cobardes, admito que tenham obedecido a ordens superiores ( possivelmente do membro do governo responsável). O objectivo, presumo, será proteger os imigrantes, mas se assim for é um erro terrível. É que o silêncio não só não protege os imigrantes, como põe em risco a segurança das pessoas e leva-as a considerar este tipo de comportamento de minorias, como generalizado
Ora isso é extremamente  grave, porque as pessoas vão interrogar-se: se as agressões tivessem sido praticadas por jovens suecos, alemães e europeus, a notícia  não teria sido amplamente divulgada e os responsáveis severamente punidos?
A tolerância e compreensão das autoridades europeias em relação à especificidade cultural  dos  imigrantes  não tem qualquer justificação e os resultados estão à vista: aumento da violência e desrespeito total pelas regras dos países de acolhimento, que só parecem aplicar-se aos cidadãos europeus.
Em momento algum se pode aceitar que os imigrantes tenham um tratamento mais favorável do que os europeus, pois isso, além de denotar medo e cobardia, a complacência aumenta a insegurança dos cidadãos que, sentindo-se desprotegidos, irão refugiar-se nas teses xenófobas da extrema direita.
Não basta pedir às pessoas para não terem medo. É preciso que as autoridades demonstrem que também não têm medo de aplicar a lei, independentemente de quem praticou actos de violência inqualificáveis. Caso contrário, um dia destes a casa vem abaixo...