segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Una giornata particolare*




O domingo até começou bem. A manhã esteve soalheira e a meio da tarde veio a notícia de que o candidato de extrema direita tinha sido derrotado nas eleições austríacas.
Muita gente suspirou de alívio, embora eu não tenha compreendido bem esse suspiro porque, apesar de derrotado, teve quase 45% dos votos. Além disso ali ao lado, na Hungria, há um fascista no poder, mas a Europa não dá grande importância  a isso.
Ao final da noite veio a notícia que pode significar a estocada final no projecto europeu: Renzi perdeu o plebiscito e demitiu-se.
Apesar das consequências que pode ter para a Europa, eu diria que a derrota de Renzi é uma boa notícia. Ele fez chantagem com os italianos e transformou o referendo num plebiscito.Se tivesse ganho, não faltariam lideres europeus a seguirem-lhe o exemplo.
Sinceramente, nesta altura do campeonato, apesar de temer os efeitos de uma eventual saída da Itália da UE, prefiro um rápido clarificar das águas, do que a paz podre em que a Europa tem vivido na última década.

* Este fabuloso  filme de Etore Scola, com Marcelo Mastrioani e  Sophia Loren decorre no domingo em que Hitler visitou Roma: 6 de Maio de 1938.


4 comentários:

  1. O resultado do referendo é um murro no estômago de Renzi.
    Não me parece que a Itália abane tanto como por aí se diz.
    Têm a palavra ... os italianos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Têm o palavra os italianos do norte, que gozam com o sistema mas servem-se dele. O Sul já está entregue aos mafiosos que mandam para cá o lixo, gozam connosco, mas o rebentamento financeiro em Itália vai trazer-nos ainda muitos mais problemas.

      Eliminar
  2. Tenho este filme juntamente com "Os Feios, Porcos e Maus". E continuamos cada vez piores. Segundo a minha opinião não me parece que vá haver qualquer clarificar de águas. O Renzi só mostrou pouca experiência política, porque não é assim que se altera a Constituição, pondo o seu lugar em jogo. Ele é dos poucos de esquerda e só queria acabar com a bandalheira que é a Itália, com tanto afilhado político e que não há Governo que aguente com as leis a andarem para trás e para a frente. Pense bem quantos governos a Itália já teve depois da guerra. Esta Constituição foi feita para evitar um novo fascismo, pensavam eles, mas acabaram por dar um tiro no pé.

    Já agora para pensar duas vezes e para memória futura, guardem este vídeo. Façam um esforço e oiçam bem o que este Economista, que sabe bem do que fala . E não digam que fui eu que disse. Ao menos ficam a saber para que serve a nova CGD. Há mais notícias sobre o assunto mas esta é mais explicita, porque não é dita nem por um fascista, nem por um esquerdista de meia tigela.
    http://tviplayer.iol.pt/programa/olhos-nos-olhos/53c6b3963004dc006243d285/episodio/t3e33

    ResponderEliminar
  3. Um filme que ontem revivi no Face de uma amiga.

    Estamos de acordo, Carlos - o ar na UE começa a ser irrespirável.
    São precisas umas lufadas de ar fresco para limpar o ambiente e ver se se removem algumas impurezas.

    ResponderEliminar