sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

A Gata Borralheira e o espírito natalício



Começo por advertir os leitores que não sei bem o que é isso do espírito natalício. Não sei se alguma vez convivi com ele, nem se é uma espécie de bênção que cai sobre nós, ou se compra no supermercado e em centros comerciais.
Suponho  que seja uma coisa que ataca as pessoas em Dezembro. Porquê? Porque só neste mês é que entro nas lojas, sou sempre acolhido com um sorriso e na altura de sair, há sempre alguém que me deseja Boas Festas ou Feliz Natal. No resto do ano, na maioria dos estabelecimentos, entro nas lojas sem ouvir um "bom dia ou boa tarde" e, se não comprar nada, é muito provável que  saia sem trocar uma palavra com os/as empregados/as.
Presumo, pois, que o espírito natalício esteja relacionado com o consumismo e é nesse momento que começo a perceber porque sou  completamente desprovido de espírito natalício:deve haver pouca gente tão parca a consumir como eu. Já as pessoas que andam afogueadas nas ruas, entram e saem das lojas num frenesim de fim de mundo e transportam com um ar feliz carradas de presentes ( a maioria deles inúteis) devem ter um espírito natalício muito aguçado.
Pelo que constato nas ruas, o espírito natalício torna o trânsito infernal , provoca acidentes inexplicáveis e obriga as pessoas, mesmo quando sintam uma dor interior que lhes amachuca a alma,  a afivelar um sorriso. Quem, nas proximidades do Natal,  exiba um semblante carrancudo ou de sofrimento, corre o risco de ser rotulado de ímpio ou, pior ainda, de ter mau feitio. Eu, à excepção de dar graças por ainda andar por cá, não tenho grandes razões para sorrir nesta época do ano. Bem pelo contrário, porque o Natal, representa tudo aquilo que eu não sou. Talvez por isso, quando soltei as amarras para me desprender das amarguras que o Natal me traz, os melhores natais da minha vida foram passados em climas tropicais, ronronando com almas gémeas a quem o espírito natalício não bafejou.
Ao longo da vida percebi que esse espírito significa, em muitos casos,  reunir a família durante dois dias, fingir que todos se dão bem como os anjos, mesmo que se detestem e utilizar os presentes para mostrar o desprezo que se tem por uns e a ternura que se sente por outros. A  troca de presentes inúteis e desfazer-se dos monos recebidos entre Natais, deve ser também uma demonstração de espírito natalício.
O qual também tem uma vertente hipócrita.
É nesta altura que as pessoas têm pena dos pobrezinhos, angustiam-se com as guerras e criticam os políticos por não se entenderem na promoção da paz.
Quando o Natal acaba o espírito natalício desaparece ou transforma-se em abóbora como o coche da Gata Borralheira. Assim que se despedem  com a certeza de que apenas se encontrarão dali a um ano, mas prometendo telefonar em breve a marcar um encontro, o mundo volta à normalidade. Os rostos voltam a fechar-se,  as saudações reduzem-se ao essencial, fazem-se recriminações aos gastos excessivos,  contas aos excessos de gorduras e doçuras consumidas.
Soltam-se as críticas à flatulência incontida do tio Eufrásio, à toilette da prima Bernarda, ao presente mexeruca oferecido pela tia Belmira, sobejamente conhecida pela sovinice, e o pai Gastão dá um enxerto de porrada na mulher, porque a aletria estava intragável, as rabanadas secas, o bacalhau salgado, e a culpa foi da tia Beatriz que o quis envergonhar  e deixar mal visto perante o resto da família. 
Perante tantas culpas,  os sonhos de Natal da tia   transformaram-se num pesadelo.
O que vale é que para o ano há mais. O Natal é em casa da tia Gracinda e sabendo-se como ela é fraca em culinária e preparações festivas, não há-de faltar pretexto para a criticar.

14 comentários:

  1. Os meus parabens Snr.Carlos Barbosa de Oliveira pela extraordinária prosa de hoje, onde o Snr. metafóricamente desmistifica o que é o Natal e o pretenso humanismo dos
    nossos dias.

    ResponderEliminar
  2. Está perto da verdade, por isso deixei os outros links. As pessoas funcionam assim porquê? Têm más intenções? Não quererão, todos, ser felizes o ano inteiro?
    Alguns sentem que alguma coisa está errada neste Mundo, só não percebem de engenharia social nem se apercebem da manipulação do Sistema. Compreendem o franchising e que podem comer um hambúrguer igualzinho em qualquer parte do Mundo, até no tamanho do pickle mas, há coisas que afectam diretamente as suas vidas e, não conseguem imaginar que "pequenas" fortunas de 500 Triliões consigam, corromper ou comprar, quem eles quiserem. Portanto, por ignorância ou conscientemente, criadagem não falta a essas 10 famílias (Rothschild, Windsor, Rockefeller, Walton,Tata, Astor, Bush, Ferrero, du Pont, Slim) Dinheiro/Poder/Influência, com os quais controlam Todos os "franchising's" deste Mundo e, o que observa, são apenas as consequências das suas acções, investigue e conseguirá completar o puzzle. Não somos vítimas, apenas andamos a "dormir".
    Quer saber as próximas etapas? Caos, nada como trazer o islão para a Europa (não viu vídeos do que se está a passar por essa Europa?)
    Guerras Civis ou Mundiais, todas lhes servem e beneficiam os mesmos, em termos financeiros, apagar rastos, sacudir "água do capote" e mais Poder.
    Depois de cada guerra, repare na concentração desse Poder e, na próxima, é para fechar o cerco. Militarizar a polícia é "mera coincidência", a seguir, dinheiro virtual (controlar se anda mesmo a comer comidinha com químicos, porque até já andam a patentear as sementes) a seguir ou no entretanto, o rendimento universal garantido (a ração que pode ser cortada se não for dócil e obediente). Sabe que "família" ofereceu o terreno para a 1ª Sede das Nações Unidas?
    Confirme como se chega ao Poder, basta relembrar pequenas notícias antigas, passar por cima da publicidade e chegar ao link
    Esta notícia é de 27-06-2008, de outros amigos do Presidente Marcelo que, como pode confirmar, entrou primeiro para o "Clube" Bilderberg (https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Bilderberg_participants#cite_note-correio-71 former Minister of Parliament Affairs). "Rui Rio e António Costa entraram juntos no clube Bilderberg (depois de Marcelo). E, como diz na notícia, "Clube é famoso por impulsionar figuras políticas até ao topo" Agora, para compor o "ramalhete", só falta repetir os "chutos no traseiro", depois de Costa "chutar" Seguro (convidado uma única vez e não deve ter passado no "exame") mas, Rui Rio, com o aval do "Clube", prepara-se para dar "um chuto" no Passos (que recusou o convite do 1%)... "coincidências extraordinárias" para se chegar ao Topo? ou estamos todos a olhar para o lado errado, como num grande espectáculo de magia? ;)
    Uma coisa lhe garanto, não será através de política, políticos ou partidos que escaparemos da Matrix mas, a essa conclusão, só se pode chegar individualmente e, só depois, temos a chave para a solução (quando ninguém quiser ou puder mandar em ninguém).
    É possível criar uma sociedade que funcione através do exemplo e não pela força da repressão, seja por força legislativa ou física ou porque será que os Governos têm autorização para fazer tudo aquilo que está proibido a todos os restantes cidadãos?
    Não acredite que não há outras soluções porque basta saber mais sobre quem fomenta essa mentira e se, nuns casos, pode ser por ignorância, noutros, só falta o letreiro luminoso, dos seus interesses, muito pessoais.
    Me despeço do seu blogue, já fiz o que podia (alertar e incentivar ao verdadeiro conhecimento do mundo que nos rodeia) e deixo uma frase muito antiga porque já tudo foi dito mas, infelizmente, esquecido: "In times of universal deceit, telling the truth is a revolutionary act”-George Orwell

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão, a grande maioria, no meio de tanta desinformação e de tantas mentiras, há tanto tempo, nem imagina o que se passa nos "bastidores".
      https://www.youtube.com/watch?v=p61pOcHUOn4
      Max Igan - Beyond the Veil - Truth Frequency Radio - Dec 24th 2016

      Eliminar
  3. Como sempre, o seu texto meu amigo, não me deixa indiferente.Rima porque é verdade :)
    Assim sendo, que passe o Natal sem dar por ele e que para o ano venha outro :)

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  4. Carlos, Eu acho que as "coisas" são o que nós fazemos delas...
    Não compro nada daquilo que não posso ou não quero, vejo pessoas com quem raramente estou e o Natal para mim não tema ver com consumismo no entanto tem duas "caras": a "cara" boa em que todos fazemos os possíveis para que a noite seja bem passada e a má onde por qualquer motivo pode rebentar uma discussão pois já se sabe que não há famílias perfeitas e pode aparecer um "desmancha prazeres"...:)))
    Sendo assim, que cada um tenha o Natal que bem entender com ou sem presentes e que tenha o cuidado denão estragar o Natal dos outros :)))
    Feliz Navidad!!!

    ResponderEliminar
  5. Não me parece que seja bem assim, ou não devesse ser, o espírito de Natal...
    um Bom Natal
    e um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
  6. Natal é quando o homem quiser! Não é assim que reza a canção?
    Quando não se quer recorre-se à orgia das compras como compensação. A maioria das pessoas não arrisca outra vida.
    Mas, a cada ano há uma nova oportunidade de Natal. Assim se queira arriscar.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  7. Nós somos assim porque no nosso cérebro só a parte frontal é que mais desenvolvida do que nos animais. Por isso impera o espírito da sobrevivência e do poder do mais forte sobre o mais fraco.
    Porque só um ano tive Menino Jesus, porque é único que me lembro e já sabia que não existia, tinha eu oito anos, nunca mais tive condições para alinhar nessas fantochadas.
    É por isso que eu não comento vinis vem postais de natal.
    Ao Carlos desejo continuar a lê-lo por milhares de dias durante todos o dias, se possível. E para mostrar a contradição que sou, aqui fica este link, simplesmente porque gosto e que mostra como só a voz humana pode fazer milagres.
    https://www.youtube.com/watch?v=LRP8d7hhpoQ

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já conhecia esta pérola e até a guardei nos favoritos. De qq modo, obrigado pela partilha.

      Eliminar
  8. Olhe, não há uma única característica do meu natal que caiba no seu. Mesmo assim, e porque até passo aqui com alguma frequência, quero desejar-lhe Boas Festas. Passe-as a ronronar no quente; na falta de climas quentes pode ficar à beira do aquecedor e, pondo-o no máximo, chega a suar. Também não precisa pensar em presentes, nem nas tias, nem. Pense nas suas coisas normais se isso lhe sabe melhor. Desejo é que esteja bem dispostinho durante os 365 dias se conseguir. Caso não consiga, não desista. Para o ano há-de haver mais 365, se os homens deixarem. E de quatro em quatro anos temos um bónus:)
    Bem haja pelos posts e pelas músicas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excepto na parte do ronronar, o post não é autobiográfico, Bea. E até já gostei do Natal, sabe? Bem dispostinho espero estar, o problema é o mau feitio que não me larga. Obrigado pelas suas palavras e por continuar a passar por aqui.Votos de um Natal Feliz.

      Eliminar
  9. Quanto à pergunta da banda desenhada respondo: porque não conseguimos ser bons todos os dias. Ou seríamos santos qualidade que fica um bocado mal aos homens. Além disso, as auréolas ocupam muito espaço e andávamos a chocar uns com os outros, às vezes a causar um certo frisson, e não dava jeito nenhum.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A qualidade de santo fica mal aos homens, bea? Então é por isso que o Vasco ( e os homens do tempo dele) se referia à sogra como "aquela santa"!

      Eliminar
  10. Que exagero, Carlos!

    Mas pronto, desejo-lhe um Feliz Natal à mesma, num desses tais locais que nem cheira ao espírito natalício! :)

    Beijocas

    ResponderEliminar