terça-feira, 29 de novembro de 2016

As pombinhas da Catrina



Há dias dizia, entre amigos,  que o governo devia evitar euforias nas comemorações do 1º aniversário, porque o caso CGD estava a ferver e uma desagradável surpresa poderia estar para lhe rebentar nas mãos.  Há situações em que preferia não ter razão, pelo que recebi a notícia da saída de António Domingues da Caixa com bastante descoroçoamento e  apreensão.
Já em tempos critiquei aqui o silêncio do governo, perante a recusa da administração em entregar as declarações de rendimentos. Sobre António Domingues, já ontem escrevi aqui o que pensava, tendo-lhe atribuído um lugar na caderneta de cromos, com o nº52.
Hoje é o momento para tecer algumas considerações sobre a atitude irresponsável do BE que, em última análise, será chamado a prestar contas se o futuro da CGD for, como se teme e adivinha,  fortemente penalizador para todos os portugueses.
Ao alinhar com a política de terra queimada que PSD e CDS adoptaram em relação à Caixa, o BE avalizou as intenções da direita de tentar, a todo o custo, forçar a privatização da CGD.
Há muitos tubarões interessados em levar a CGD ( o único bem público relevante que nos resta) e  PSD  e CDS são os seus testas de ferro.
Aquilo que o PCP topou à distância, Catarina Martins não conseguiu perceber nas palavras de Maria Luís Albuquerque, nem com a tentativa desesperada de António Costa, ao requerer uma segunda votação da proposta apresentada pelo PSD.
Por outro lado, sabendo Catarina Martins que os administradores da CGD, mesmo que contrariados, já tinham acordado  entregar as declarações de rendimentos no TC, não devia ter insistido em votar um diploma que conduziria, inevitavelmente,  à demissão dos administradores.
Pode - e deve- criticar-se severamente o finca-pé de António Domingues e demais administradores que pretendiam um regime de excepção. É legítimo concluir que pessoas que exigem tratamento especial, não devem estar à frente de instituições públicas.
O problema é que a demissão de António Domingues poderá criar um gravíssimo problema na CGD que se reflectirá, inexoravelmente, no défice de 2017 e, por consequência, nos bolsos dos portugueses. In limine, poderá mesmo levar à sua privatização.
Enquanto o PCP engoliu um sapo, porque percebeu todo o puzzle, o BE resolveu dar aos portugueses mais uma prova de irresponsabilidade. Ou porque não percebeu a jogada da direita- o que é grave- ou porque mesmo percebendo e tirando as ilações consequentes, insistiu no finca pé. O que é ainda mais grave.
António Costa não está em condições, neste momento, de jogar este trunfo a seu favor mas o PCP, a seu tempo, não deixará de o fazer na tentativa de capitalizar ganhos eleitorais.
Era altura de Catarina Martins perceber que a irresponsabilidade se paga caro. Mas a esquerda  nunca aprende com os seus erros. Pelo contrário, parece ter algum prazer em se mortificar, insistindo em repeti-los.
Assim sendo, Catarina, não te queixes se os portugueses te cortarem as asas quando forem chamados a manifestarem-se nas urnas.

7 comentários:

  1. Aquela frescura e autenticidade da Catarina está a murchar. Parece-me - e só me parece, na verdade não estou por dentro e é apenas um feeling - que se deixa influenciar.

    ResponderEliminar
  2. O problema é que a grande maioria não sabe, nem sequer percebe, para onde nos estão a levar e, aqueles que há mais de 20 anos avisaram, eram os maluquinhos das conspirações, agora, só não vê quem não quiser, muitos estão bem instalados neste sistema e esperam tachos ainda melhores nesse tal Governo Global, outros, são tão ingénuos que nem imaginam quem, realmente, estão a servir e, até a ajudar a acelerar o Processo.

    No entanto, muitos já perceberam que as Ordens vêm de fora e quando os Deputados Europeus não podem Propor nem Vetar Leis, sabemos que só pode haver alguém nos bastidores que está tentar controlar tudo, era bom esquecer os pormenores e começar a procurar a Verdade. Ninguém deve acreditar em ninguém mas, deviam começar a investigar por conta própria porque, só assim, vão acreditar no inacreditável.
    Quem sabe que o BCE e o FED são Bancos Privados pertencentes ao 1%? aqueles que são menos de 70 pessoas e já possuem mais de metade de todas a riqueza do Planeta?
    Com Fortunas de 500 Triliões qual o seu próximo objectivo?
    Depois de imprimirem e controlarem o dinheiro através dos seus Bancos, manipularem políticos e algemarem países às dívidas que eles próprios fomentaram, agora, só lhes falta centralizar Todo o Poder e tratarem-nos como gado.
    Que entidade "sobrenatural" tinha o direito de passar por cima de Todos os Seres Humanos deste Planeta e entregar às Nações Unidas o controle de todos os Oceanos e seus Recursos?
    Quem controla as Nações Unidas nos bastidores?
    Procurem e vai tudo dar aos mesmos. Nós que somos os 99% , naturalmente que eles nos querem dividir, essa é mais do que velha, Dividir para Reinar, resta saber quem quer reinar sobre o Mundo e sobre as futuras gerações.
    Pena que quase toda a documentação esteja em inglês mas, como em tudo na vida "Where there is a will, there is a way." Deixo um resumo mas, o resto tem de depender da vontade de cada um, em querer confirmar ou saber mais. Quanto aos convidados do grupo Bilderberg, nem imaginam quem lá vai e repete as visitas, será para tomar "chá"? Mas isso são outros 500.
    LINK

    ResponderEliminar
  3. O BE é como a história do escorpião e do sapo...

    ResponderEliminar
  4. Parece-me a mim, que neste caso, todos procederam mal desde o início: governo, administradores, BE, etc.e tal. E os gajos do PDS, a envenenar o que mais podiam... :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, Teté. Só que até ao momento apenas tinha escrito posts a criticar o governo e os administradores. Beijinhos

      Eliminar
  5. Onde é que se assina o comentário da Teté????

    ResponderEliminar