segunda-feira, 21 de novembro de 2016

A máquina de fazer jornalistas

Hoje em dia, quando leio jornais, ou vejo televisão ( especialmente a do militante nº1) , suspiro para que esta máquina entre rapidamente nas redacções. Ficávamos todos a ganhar. Às tantas, até o arquitecto Saraiva...

3 comentários:

  1. Será mesmo?! Entendo a sua perplexidade ou mesmo mais que isso perante o nosso serviço noticioso. Mas o bom jornalismo não se deixa substituir por máquinas. O que queremos não são autómatos (de alguma forma já os temos em quem diz o que lhe foi encomendado) isentos - e nesse aspecto melhores que o automatismo de encomenda. Queremos gente bem formada e isenta a fazer o seu trabalho de investigação e problematização de questões que é, indubitavelmente, um trabalho humano e não maquinal, feito por pessoas e para pessoas. Seres pensantes. Penso que será isto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estava a brincar, Bea. Obviamente que não há máquina nenhuma que substitua o bom jornalismo

      Eliminar
  2. Tem ouvido e lido cada calinada que até custa acreditar!

    ResponderEliminar