segunda-feira, 17 de outubro de 2016

(Tudo bons) Rapazes de Táxis



Na última semana fui acusado de falta de sensibilidade para os problemas destes profissionais. Fui informar-me melhor ( mas não caí na esparrela de apanhar um taxi à noite, porque 9 em cada 10 vezes apanho um taxista bêbado ou com um ar de rufia que mete medo ao susto) e, reconheço depois de ver este filme, que fui injusto. Agora até estou comovido!

"João e Jaime são dois condutores de táxi de espírito bem disposto. Os dois taxistas apaixonam-se por várias mulheres. Entretanto a empresa onde trabalham é gerida pela viúva Alexandrina. O filho desta, Raul, rouba o cofre da empresa para pagar uma dívida de jogo. Quando se descobre a falta do dinheiro Raul faz com que as culpas recaiam sobre João. Jaime faz tudo para defender a honra do amigo, obrigando a que Raul se denuncie".
( Sinopse do filme Rapazes de Taxis,  no portal da RTP)
A história é comovente e ninguém pode perder este filme.
Entretanto,como forma de expiação pelas críticas que fiz aos videos da semana passada que mostravam arruaceiros na Rotunda do Relógio ( que alguns confundiram com taxistas em protesto contra a Uber) deixo-vos com esta  canção de homenagem aos taxistas
Em tempo: este post foi escrito a pensar na marcha para Belém, que os taxistas tinham anunciado para hoje. Eles desistiram, mas eu não.
Tenham uma boa semana.

5 comentários:

  1. À saída do comboio em Faro o mês passado apanhei um taxi para o hospital que eu não sabia onde era. O primeiro dia apanhei um taxista que me deixou fora do recinto do hospital, junto ao gradeamento e me cobrou 6€.
    Para quem conhece o hospital sabe que desde o portão até à unidade de neurocirurgia ainda é um bocado. O hospital é composto de vários edifícios e eu nem sabia para onde me dirigir. Acresce que o "cavalheiro" me respondeu desabridamente quando lhe pedi o número para o chamar posteriormente no regresso à estação. Felizmente encontrei no hospital uma amiga que me levou no regresso.
    Segunda ida ao hospital, o senhor foi muito amável, entrou no recinto hospitalar e deixou-me à porta da unidade, e levou 4'20€.
    Fiquei a pensar como pode haver gente tão diferente na mesma profissão.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  2. É verdade Elvira, há gente de todos os géneros e em todas a s profissões...
    Os taxistas sabem tão bem como nós que têm colegas que não se portam bem e é pena que não consigam resolver o assunto entre eles.
    xx

    ResponderEliminar
  3. UBERIZE-SE, NO CAMINHO PARA O JARDIM DAS DELÍCIAS

    Em todas as profissões podemos encontrar bons ou maus profissionais. Não ando muito de taxi, mas os dedos duma das mãos devem chegar para contar a minoria de taxistas maus profissionais e sem brio. O que me causa perplexidade é apresentar todos os taxistas como merecedores de opróbio.

    Ele há em todas as profissões - mais numas que noutras - quem mereça justificado reparo. Mas não é por isso que dizemos que todos os médicos, ou alfaiates, ou empregados de balcão ou de caixa, todos os talhantes, são para "abater".

    Toda esta campanha pelas "delícias" da Uber - tão "amiga" do cliente - faz-me lembrar as campanhas pelas privatizações, pelas "excelências" da gestão privada, pelo "paraíso" que resultaria da "concorrência" no mercado. Seriam os preços mais baixos dos bens e serviços. Seria o "pluralismo" resultante da "liberdade" de informação. Seriam serviços mais eficientes, para melhor satisfação do cliente/utente.

    Vê-se que eram tudo balelas. Porque o mercado funciona em regime de monopólo/oligopólio, com preços concertados. E o que conta para a gestão é o lucro para os grandes accionistas e não a verdadeira satisfação das necessidades sociais. Como demonstra a "eficiente" banca - a jóia da coroa à cabeça - salva pelos impostos e sacrifícios e "austeridade" para a maioria. Quem tiver pouco dinheiro, que pague a factura de quem o tem em demasia.

    ResponderEliminar
  4. Até o Lobo Xavier pertence a uma sociedade de advogados com interesses na UBER. Continuem a preferi-las e qualquer dia teremos muitos mais desempregados e muitos menos a pagar impostos. E muitos mais endividados pelo dinheiro que investiram para conseguir um alvará, de que não conseguirão ressarcirem-se.
    faz-me impressão as pessoas dizerem que pelo mesmo trajecto pagaram valores diferentes. Será que há tanto analfabeto que não sabe que um taxímetro funciona também no tempo em que está parado e que a corrida varia em função do trânsito que apanha? Que tristeza! Já não volto a falar do mesmo assunto porque já dei muitos exemplos válidos. A maioria dos condutores de táxis muitas vezes nem têm tempo ou possibilidades de almoçar, por isso à noite já estarão com os copos, porque lhes caiu na fraqueza. mas o Carlos só tinha uma coisa a fazer: chamar a polícia para lhe fazer o teste de alcoolémia.

    ResponderEliminar
  5. Desistiram porque já perceberam que só estão a acicatar os ânimos contra a classe, Carlos

    ResponderEliminar