quinta-feira, 13 de outubro de 2016

E se fosse Ary dos Santos, podia?



Ainda sou do tempo em que autores portugueses defendiam(ainda que timidamente) a atribuição do Nobel a José Carlos Ary dos Santos.
Ary  escreveu os poemas de muitas das mais belas canções portuguesas do século XX e tem frases publicitárias que fizeram história.
Agora, que o vencedor foi Bob Dylan, Alice Vieira diz que estão a gozar com ela e propõe candidatar Quim Barreiros no próximo ano. 

Presumo que ainda hoje venha alguém dizer que afinal o Saraiva pode ter hipóteses.
Aguardo, fremente de  ansiedade, as opiniões do grande Rodrigues dos Santos e do Saraiva do buraco da fechadura. 

Lá por fora, o vírus anti Dylan também entrou no mundo dos autores. Irvine Welsh, por exemplo, não está com meias tintas e opina sobre a atribuição do Prémio Nobel a Bob Dylan : um prémio marcado pela nostalgia, arrancado das "próstatas râncidas de hippies senis e sem sentido".
Esta malta da escrita está a ficar rançosa e com um aguçado espírito corporativo. No fundo não diferem muito dos taxistas em relação à Uber. O Nobel não pode ser atribuído a um cantautor, porque é concorrência desleal.
Para esta tenebrosa trupe, poesia com música é heresia. Já poesia sem ritmo nem  musicalidade, (estilo Fui à janela. Era meia noite. Vi passar um autocarro vazio. E chovia) é literatura da mais requintada. 

20 comentários:

  1. O Carlos não se importa de mencionar o nome dos autores portugueses que defendiam que o Ary dos Santos merecia o Prémio Nobel de Literatura.

    O Bob Nobel foi para mim uma desilusão, o Ari Nobel também tinha sido.

    Aceito a decisão da Academia Sueca, Carlos.

    Quem se lixou com o Bob Nobel foram os livreiros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que adivinhou o tema do meu próximo post, Teresa...

      Eliminar
    2. Cá fico à espera com grande curiosidade e interesse.

      Eliminar
    3. E se fosse WOLF BIERMANN, também dizia NÃO!

      Eliminar

  2. Ary do Santos? Podia! E tantos outros cantautores também. O Sérgio Godinho, por exemplo.

    Contra o Bob Dylan...nada a declarar.
    Para além da sua música, ele vai ser sempre lembrado por ter sido o primeiro músico a vencer o prémio maior da Literatura.

    Beijinhos musicais
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que podia, Afrodite. Como muitos outros poetas cujos poemas cantados e celebrizados em músicas que marcaram gerações. As pessoas são contra o Nobel de Dylan, por mero preconceito elitista. A poesia, felizmente, já não é um passatempo de cortesãs.

      Eliminar
    2. O Sérgio Godinho também livros e bons. Lembro-me de num programa o prof.JMV ter feito uma bela análise de um dos seus livros.

      Eliminar
  3. Dar o Nobel ao Bob sendo ele apenas um interprete, não me pareceria bem. Sendo ele um poeta que até tem um ou dois livros de poesia editados,não vejo onde esteja o mal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, Elvira. Antes do mais ele é um poeta, mas há pessoas que não conseguem separar as coisas.

      Eliminar
  4. A Alice que continue a escrever para criancinhas.
    Pelo comentário da Catarina pode imaginar-se como tal será recebido na américa de hoje, seja nos E.U seja no Canadá, embora aqui seja melhor um pouco, porque está lá o filho do Trudeau que conviveu os Rollings Stones. por causa disto lembrei-me duma entrevista de Keith Richards, onde ele dizia que tinha snifado as cinzas do pai e quando lhe perguntaram se acreditava em deus ele respondeu: «"Deve existir porque quando me venho digo sempre: "Oh my god"»
    Acho que este prémio na era da trumpa veio mesmo a propósito, ele que até se Tinha servido dos RS.
    O Ary dos Santos fez dos mais belos poemas da literatura portuguesa, mas como era homossexual assumido não gostavam dele.
    Para as suas memórias conto-lhe um episódio. Antes do 25/4 havia um programa de rádio que se chamava "Os Intocáveis" na reaccionária Renascença, acho eu. Ouviam um disco, faziam a sua análise e depois ouvia-se o escaqueirar do disco. Lembro-me perfeitamente quando fizeram a análise da "Desfolhada". nem imagina o que eles disseram! Uma vergonha: "quem faz um filho fá-lo por gosto" e muitas coisas mais. e Terminaram assim: "Este disco é intocável, mas não é inquebrável" e lá ia o vinil pró maneta.
    Desculpe este meu derivar mas eu sou algarvia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembro-me bem desse episódio e desse programa, Anfitrite

      Eliminar
    2. Como o Carlos andou muito tempo por fora, às vezes tento contar certas coisas a que poderia não ter assistido. Parece que ambos temos bom gosto, só que eu tive menos possibilidades e armas e o pouco que sei quase que o devo só a mim. Por isso sou tão sensível a certas situações e irritam-me certos pavões.

      Eliminar
  5. Janita e EMa vão ver a minha resposta no "Lisboa não...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sabia que era algarvia!!
      Hoje fiquei em casa a maior parte do dia. A tv tem estado no mesmo canal: CNN.... só tenho ouvido “trampa”, é certo! Nem uma palavra sobre o Prémio Nobel! Vou ouvir as notícias num dos canais canadianos talvez façam menção e dêem uma opinião.

      Eliminar
    2. Mas a imprensa, em contrapartida, tem-se debruçado sobre o assunto :
      http://www.nytimes.com/video/world/europe/100000004707082/nobel-prize-in-literature-awarded.html?smid=fb-share

      ou ainda
      https://www.theguardian.com/books/live/2016/oct/13/nobel-prize-in-literature-2016-liveblog?CMP=share_btn_fb&page=with%3Ablock-57fff5dbe4b01ffb8ffcb6e9#block-57fff5dbe4b01ffb8ffcb6e9

      Eliminar
  6. Carlos devia ter ouvido o parecer da Q do O todos estão de acordo com a atribuição do prémio Nobel a Dylan e o lobo xavier até chamou racistas aos escritores que estão contra. O PP enalteceu a sua obra escrita para além das canções e o Jorge Coelho falou na época da revolta da procura de novos valores, etc. temos gente evoluída..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como prescindi da TV Cabo aqui no Estoril, nos últimos quatro meses só me lembro de ter visto o primeiro debate entre Hillary e o Trumpas, porque estava em Lisboa nessa noite.Acredita que ando muito mais calmo e feliz desde que "desliguei"?
      Vamos lá ver como vou aguentar o embate nos próximos dois meses que estarei de novo em Lisboa...

      Eliminar
  7. Que foi uma grande surpresa, lá isso foi.

    ResponderEliminar
  8. Primeiro: não dar o prémio a um cantautor parece-me bem se é um prémio de literatura. Ele já tem os seus prémios por ser cantautor. Mas, ter esta opinião, não significa que o senhor passe a atacar os que a perfilham dizendo deles que preferem má poesia à poesia de Dylan (a qual, eu, desconheço e é provável que continue a desconhecer). É um direito que toma sem o ter.

    Ary não cantava. Limitava-se a fazer poesia e a declamá-la. Alguma está posta em canção e foi mesmo feita para isso. E não. Eu não daria o prémio ao Ary.

    Quanto a quem propõe Quim Barreiros... não vale a pena comentar brincadeiras.

    Para terminar: não vejo que seja mal haver algum espírito corporativo. Ou será que só existe união para o que não deve?! Quer que vença a uber da literatura, pois que vença. Já venceu. Mas não convence.

    ResponderEliminar
  9. O planeta tosse para todos os lados, os dirigentes tossem apenas para um lado (o seu) a malta, a turba, está ficar sem espaço para cuspir. Porra, qual a relevância do Bob (do qual gosto) ganhar o Nobel, quando toda a estrutura está a cair aos bocados? Bom, só se for por os tempos estarem a mudar. ;)

    Abraço, Carlos

    ResponderEliminar