quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Do mulherio

António Guterres acaba de ser eleito secretário geral da ONU por aclamação. Ontem e hoje, ao longo  do dia, organizações de todo o mundo, representando todos os quadrantes ideológicos, aplaudiram a escolha do ex- primeiro  ministro português para liderar a mais importante organização internacional.
No entanto, como não há bela sem senão, as organizações internacionais de mulheres foram quase unânimes nas críticas à escolha de Guterres, por se tratar de...um homem.
Uma dessas organizações diz que a eleição de Guterres é "um ultraje", outra fala em injustiça e uma outra de "jogos de bastidores" para eleger Guterres.
Achei especial piada a esta última. As organizações de mulheres não consideraram jogo de bastidores, nem golpada, a candidatura de Kristalina Georgieva.. Nem perceberam o significado  da votação que colocou a candidata de Merkel  na oitava posição entre 10 candidatos. 
Quer isto dizer que para estas lideres das organizações de mulheres, o mais importante seria eleger uma mulher, independentemente das suas capacidades, do seu perfil, ou de ser eleita à custa de uma jogada badalhoca liderada por uma alemã megalómana e sem escrúpulos.
Esta posição das organizações de mulheres diz muito sobre o carácter das suas dirigentes e sobre os princípios que norteiam essas organizações.
Digo-o há muito...As mulheres são as piores inimigas delas próprias e as organizações que teoricamente as representam, o maior obstáculo à  aceitação das suas reivindicações junto da  opinião pública.
Na verdade não se trata de mulheres. É mulherio. No pior sentido do termo. Estas organizações fazem muito mal às mulheres e descredibilizam a luta de muitas que, desde o tempo das sufragistas,  exigem igualdade de direitos. 

7 comentários:

  1. Concordo com o Carlos. Mais cedo ou mais tarde vamos ter organizacoes internacionais de homens que irao alegar discriminacao. : )

    ResponderEliminar
  2. Ponho aqui o comentário que fiz onde uma das mulheres se queixava:

    As mulheres que se querem servir do género (sexo) para terem determinadas regalias essas têm outro nome. Embora as leis ainda sejam feitas por muitos homens, só o mérito merece ter sido em conta para desempenhar um cargo, seja ele qual for. Lá chegaremos! Mas não é com jogadas de última hora como a da cristalina que venceremos. O mundo está farto de trapaceiros. Neste caso não estou a julgar ninguém, até peço ao Guterres que seja mais firme e não se deixe enganar por pulhas que chegou a ter no seu governo ou à volta dele. Não se dedique apenas ao assistencialismo, tem capacidade para tomar grandes medidas e não abandonar pântanos. Parabéns! Que Portugal se venha a orgulhar do seu desempenho já que o Mundo está cada vez pior e mais egoísta.

    ResponderEliminar
  3. POST MERD; OOPS, MEDIEVAL

    Hoje não venho comentar. Só venho informar que tal como tinha anunciado, acabo de postar um texto de minha autoria intitulado A Távola Redonda e as justas medievais do século XV onde tento utilizar a escrita coeva. É preciso dizer que o artigo tem surtidas até anos bem diferentes. Só um maluco como eu se meteria – e meti – nesta trapalhada
    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  4. Bolas, que raiva : tenho que concordar contigo , pois infelizmente tens razão, amigo !!!

    Parabéns a Guterres |

    ResponderEliminar
  5. Fico contente pela vitória de Guterres que acho justa e merecida. Julgo ser homem para o cargo. Homem, não. Pessoa. Que não foi por ser de género masculino que foi eleito. E aproveitar a eleição para levantar falsas bandeiras feministas só diminui quem entra em tais jogos.

    ResponderEliminar
  6. Elas deveriam estar furiosas com a horrorosa da Merkel
    que não honrou a nossa classe, dando um péssimo exemplo
    de liderança.
    Abraço de contentamento, Carlos.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  7. As mulheres não precisam de ajudas para aceder aos lugares de topo, carlos.
    Merkel, mais que nenhuma outra, devia saber isso.

    ResponderEliminar