segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Quando a justiça não inspira confiança...

Não vi a entrevista do juiz Carlos Alexandre. Mas, pelo que li de comentadores  insuspeitos e ouvi num pequeno resumo do Eixo do Mal, constatei que o repúdio é unânime. Os excertos transcritos no FB são esclarecedores e suficientes para eu reiterar as minhas suspeitas e os meus medos em relação aos agentes da justiça.
Agravados pelos excertos que li do livro de Fernando Lima, assessor de confiança de Cavaco durante mais de 20 anos. A ser verdade que foi um magistrado a avisar Cavaco de umas escutas a Belém, estamos perante um caso de extrema gravidade que não devia ser varrido para debaixo do tapete, mas sim investigado até às últimas consequências.
Espero, por isso, que os entendimentos tantas vezes reclamados pelos políticos não se concretizem, porque a acontecerem, apenas agravariam os medos dos portugueses que prezam a liberdade.
Não sei quais as razões que terão motivado Carlos Alexandre a dar a entrevista mas... tenho as minhas suspeitas.

6 comentários:

  1. Desconfio de toda a gente que trabalha sem fins de semana por não ter amigos nem fortuna pessoal. Não me parecem nem trabalhadores esforçados - esses precisam mesmo dos fins de semana, estão cansados -, nem bons profissionais, nem boa gente.
    E do resto não me apetece falar que esse indivíduo não merece o meu tempo. Para além de uma figura triste não vejo qual seja o objectivo do indivíduo ao dar a entrevista (mas deve ter senão não a daria). No entanto, continuo a desgostar de José Sócrates e julgo que com razão.

    ResponderEliminar
  2. Para falar da entrevista deveria ela ser lida na versão integral e original e não através do "diz-se que disse" com ou sem pedaços seleccionados e "des/valorizados" por terceiros. Li a entrevista de quem dizem ser um "todo poderoso super-juiz", que diz de si próprio conhecer "temíveis" e "terríficos" segredos (estes dois últimos são adjectivações minhas), afirmando ser alvo de escutas ... que não pode provar.

    Havendo "escutas", escuteiros e entre-vistas, deveria o Juiz ter de Conrado guardado o prudente silêncio ? É utopia, histórias da Carochinha, pensar-se que a Justiça é imparcial, imune a influências, pois no mínimo o Juiz interpreta e aplica a Lei que outros Poderes também mais ou menos poderosos publicaram, e fá-lo com a consciência da classe a que pertence ou com a qual se identifica. Como diz a Prevenção Rodoviária, PARE, OLHE, ESCUTE ? Escutar quem e o quê, perguntar-se-á cá de baixo.

    ResponderEliminar
  3. Se o homem não fala, fala-se porque não fala
    Se o homem fala, fala-se por ter falado

    Não é por este juiz, que a justiça está neste estado

    ResponderEliminar
  4. Respondendo ao Rogério, direi que por mim é que a justiça não está no estado em que está. Quanto ao juiz carlos alexandre não ponho por ele as mãos no lume. Nem pensar.

    ResponderEliminar
  5. Como já comentei com amigos, juízes a dar entrevistas faz-me umas cócegas bestiais.
    Depois, quando no decorrer dessas entrevistas, fazem referências óbvias a processos que estão a julgar, fico danado.
    E com vontade de cantar com Bowie "This is not America"!

    ResponderEliminar
  6. Também tenho uma ideia porque é que ele veio dar a entrevista agora, mas vou esperar para a confirmar (ou não)...

    ResponderEliminar