terça-feira, 23 de agosto de 2016

Ponte de Sor: brincadeiras de adultos

A pequena vila de Ponte de Sor saltou este fim de semana para as primeiras páginas pelas piores razoes. Muito se tem escrito sobre a agressão barbara ao jovem Ruben, os miúdos iraquianos já foram condenados em praça publica, mas eu nao vou alimentar esta discussão, enquanto nao poisar a poeira. Nem sempre o que parece obvio corresponde a realidade e o facto de os intervenientes serem todos menores aconselha prudência. Mas também alguma reflexão sobre a violência gratuita entre adolescentes que se embebedam descontroladamente porque...Bem fico-me por aqui,  porque este post nao pretende abordar uma rixa entre adolescentes, mas sim um problema envolvendo adultos. Fica a promessa de voltar ao assunto.
O que me leva a escrever sobre Ponte de Sor relaciona-se com incêndios. Ha dias, um fulano completamente embriagado conduzia de madrugada uma carrinha de caixa aberta. Um pneu terá rebentado, mas ele continuou a conduzir. A jante, em brasa, provocou faíscas que se espalharam e provocaram mais de 20 focos de incêndio. Um deles provocou um incêndio de enormes dimensões.
O autor  ( ainda que involuntário) dos incêndios foi presente a tribunal, acusado de vários crimes de fogo posto e de conduzir embriagado, com uma taxa de alcoolizai de 2,1 g/l.
A juíza  confirmou a inibição de conduzir durante 4 meses, uma multa de 360 euros e dois anos e meio de prisão com pena suspensa. A  viatura ( uma imprestável carrinha de caixa aberta, quica comprada com dinheiro de subsídios comunitários destinados a agricultura) reverteu para o Estado.
Comentários? Para que? Fica apenas a minha gargalhada de desprezo.
Aviso:este post nao tem acentos, porque foi escrito no iPad. O meu computador nao se deu bem com os ares do Estoril..

5 comentários:

  1. daqui a 4 meses o senhor volta às estradas e a questão nem se coloca na lei mas, na aplicação da mesma.
    Espero que não caia na mesma tentativa absurda dos miúdos de culpar o acesso fácil à bebida ou as hormonas. absurda, sim, na entrevista que dá à sic um dos 'miúdos' (17 anos é só a uns meses dos 18) demonstra que conhece o código/a lei e acha que já que o limite da taxa de alcoolemia para os condutores em Portugal é 0.5 e ele só estava com 0.58, horas depois do ocorrido, ele não esta alcoolizado. O irmão estava alcoolizado ele com 0.58 não.
    Enfim, claro que as bebidas alcoólicas não devem ser vendidas a menores de 18 anos mas, conduzir também não devia ser permitido a menores de 18 anos, há excepções absurdas que permitem conduzir antes e acho que tem maturidade para conduzir devia ter maturidade para ser responsável pelos seus actos e consumos sem tentar culpar terceiros.

    ResponderEliminar
  2. Num qualquer país civilizado, se é que ainda os há, este senhor não saía tão cedo da prisão. Só uma pessoa completamente louca, não se aperceberia dum pneu rebentado. Todos os bandidos têm sorte. Há tanta gente que morre ou fica inutilizada só porque rebenta um pneu. Este apenas estragou a vida dos outros. E, esta juíza, ou outros, merecia, que fosse a sua terra ou a sua casa que fossem incendiadas, apesar dela não sofrer muito com isso, porque ainda recebe subsídio de residência onde quer que esteja.
    Há uma coisa que estranho. Os iraquianos não são árabes, dominados por xiitas ou sunitas, não interessa, não deviam estar proibidos de beber álcool, segundo a sua religião? Não estou a defender ninguém mas tenho a certeza que o embaixador israelita não come carne de porco.

    ResponderEliminar
  3. Carlos,
    Seja lá o que for que aconteceu aquela violência bárbara, e a justificação (???) de legítima defesa e que estas coisas acontecem todos os dias em Portugal, não têm justificação.

    ResponderEliminar