quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Menina ( dos olhos de água)


Há tempos, quando escrevi esta crónica, algumas leitoras manifestaram surpresa porque alguém chamava rapariga* a uma mulher com mais de 40 anos. Pelo menos... ( Na realidade afiançou-me a própria, dias mais tarde, ter 43).
A propósito deste tratamento de " rapariga"  devo esclarecer que é muito vulgar, pelo menos no norte tratar pessoas de idade por  "raparigas" ou "menina".
A minha irmã, por exemplo, faleceu com 74 anos, mas as empregadas de lá de casa ainda a tratavam por menina. E eu que, como sabem, também não vou para novo, continuo a ser tratado por "menino" pelas ex empregadas de lá de casa.
 Lembro-me de ser miúdo, ir com a minha mãe às compras e ouvir, em alguns estabelecimentos onde ela era conhecida desde miúda, tratá-la por menina. Dava-me imensa vontade de rir ouvir tratar uma senhora de 50 anos por menina.
Nada disto tem, obviamente, qualquer importância, mas eu não queria deixar de incluir esta canção maravilhosa do Pedro Barroso na rubrica "posts com música" e este pareceu-me um bom pretexto para o fazer. Que vos parece?
* Aviso: aos muitos leitores brasileiros que por aqui passam e eventualmente estranhem, esclareço que o termo "rapariga", em Portugal, não tem a conotação pejorativa que lhe é atribuída no Brasil.


12 comentários:

  1. Gostei de ouvir o menino Pedro Barroso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poderá ser menino para muita gente, só que é difícil pegar-lhe ao colo.

      Eliminar
    2. Uma resposta com muita piada, Gisela!

      Eliminar
    3. Anfitrite, Atena, Gisela - uma e a mesma pessoa?! : ))

      Eliminar
    4. Gisela, um nome bem alemão, é o verdadeiro nome da nossa amiga Anfitrite, Atena (a mania da mitologia grega!!!).

      Eliminar
  2. Ainda hoje há quem me chame menina. Mas eu vinha aqui só para lhe agradecer a linda imagem que pôs. Até me fez chorar lembrar-me das minhas queridas praias algarvias. Ainda sou do tempo que se chamava gasolina ao barco que nos levava às ilhas, que não tinham outro acesso. à dos "Olhos de Água" tínhamos de andar muito a pé para lá chegar. As do Sotavento têm uma temperatura maravilhosa. depois tudo foi estragado pelos patos-bravos e pelas Câmaras na ânsia de receber dinheiro. Há uma estrada com uma curva muito fechada antes de chegar a Armação de Pera (Frente ao antigo casino), que tem lá o sinal que não se pode andar a mais de 30Kms. porque o dono do terreno era um coronel salazarista, que não deu autorização para lhe cortarem a meio o terreno que tinha vinha e assim ficou aquela curva. Depois até em cima de ribeiras com canaviais e mal cheirosas, se construiu, como "As Aldeias de São João" uma urbanização quase só para alemães. É o progresso...

    ResponderEliminar
  3. verdade, há dias fui com a minha mãe às compras, no norte, e tanto eu como ela fomos tratadas por 'meninas'. Eu já passei os 30 ela os 60 a miúda que nos atendeu e procurou esmerar-se na educação mal entrou nos 20

    ResponderEliminar
  4. Um Poema lindo! Uma canção cheia de ternura.
    Bonito post, Carlos!


    Menina em teu peito sinto o Tejo
    E vontades marinheiras de aproar
    Menina em teus lábios sinto fontes
    De água doce que corre sem parar

    Menina em teus olhos vejo espelhos
    E em teus cabelos nuvens de encantar
    E em teu corpo inteiro sinto feno
    Rijo e tenro que nem sei explicar

    Se houver alguém que não goste
    Não gaste, deixe ficar
    Que eu só por mim quero-te tanto
    Que não vai haver menina para sobrar

    Aprendi nos 'esteiros' com Soeiro
    E aprendi na 'fanga' com Redol
    Tenho no rio grande o mundo inteiro
    E sinto o mundo inteiro no teu colo
    Aprendi a amar a madrugada
    Que desponta em mim quando sorris
    És um rio cheio de água lavada
    E dás rumo à fragata que escolhi
    Se houver alguém que não goste
    Não gaste, deixe ficar
    Que eu só por mim quero-te tanto
    Que não vai haver menina para sobrar.

    Quem não gostaria de ser chamada de 'Menina'- Assim...?

    :)

    ResponderEliminar
  5. No Algarve também é (ou era) habitual o tratamento por “menina”. A minha mãe era tratada assim pelas vizinhas mais amigas. A mim nunca me trataram por menina nem por dona (a não ser a senhora que me ajudava nos afazeres domésticos há uns anos, já no Canadá, e porque era portuguesa). Os canadianos preferem usar o nome próprio, independentemente da idade das pessoas!!

    Pedro Barroso... Antes de saber de quem se tratava, tivemos – eu e ele - uma troca de comentários/opiniões muito interessante, num dos blogues que visitávamos.

    ResponderEliminar
  6. Eu que de menina também nada tenho, adoro ser tratada como tal :)))
    Onde costumo tomar café ainda somos todas tratadas com esse "mimo".
    Pedro Barroso tem uma linda voz.
    xx

    ResponderEliminar
  7. O pior de tudo é ainda hoje no Porto me tratam por "menina Teresinha" para grande risota dos meus filhos.

    ResponderEliminar
  8. Leiam a crónica do Miguel Esteves Cardoso sobre as raparigas que é um mimo

    ResponderEliminar