terça-feira, 30 de agosto de 2016

Mas que grande cena, meu!


Aviso prévio: este post foi escrito e publicado no Onthe rocks em Setembro de 2014. É apenas uma "Cenas de Taxis" que publiquei lá e aqui no CR, cuja reedição hoje inicio. O intuito  é recordar que o melhor é mesmo recorrer aos serviços da UBER sempre que precise de um táxi

Eu sei que há taxistas burlões em todo o lado mas, talvez por já estar em “modo férias” este que me caiu em sorte no Porto, na ultima sexta –feira, irritou-me ferozmente.



Chegado a Campanhã, apanhei um táxi. Levava a pasta-mala habitual por cujo transporte nunca me cobraram, mas o taxista obrigou-me  a pô-la na bagageira, alegando que ultrapassava as dimensões mínimas regulamentares.



Decidi não protestar porque o taxista era demasiado mal encarado  ( é quase um pleonasmo, porque mais de 90% dos taxistas sofrem desse mal) e não me apetecia arranjar discussões.  Mentalmente, decidi imediatamente que ia apresentar queixa dele, mas entrei no carro disposto a pagar o que ele me cobrasse.



Enquanto ele subia a Fernão de Magalhães a uma velocidade louca, cometendo várias transgressões, apercebi-me que ia ter problemas quando chegasse, porque o homem não marcou no taxímetro o 1,60€ do transporte da bagagem.



Assim que cheguei às Antas, as minhas suspeitas confirmaram-se. Quando ia pagar o que estava marcado no taxímetro, o homem  lançou um “Ah! Esqueci-me de marcar o transporte da bagagem!”

Azar seu- respondi. Só pago o que estiver marcado. 

Felizmente tinha dinheiro certo sem precisar de troco. Pedi recibo  e entreguei-lhe o dinheiro certo. Depois de ter a mala comigo, obviamente

Então e o transporte da bagagem?- perguntou o mal encarado

Já lhe disse que não pago mas, se quiser, chame um polícia.

Meteu-se imediatamente no carro enquanto vociferava  em altos berros: Grande FDP, vai para a PQP!



Entrado em casa, telefonei para a radio táxi e apresentei queixa. Obviamente que não dará em nada e o ToZé ( assim se chamava o motorista) vai continuar pelo país a roubar os clientes e o patrão.

De qualquer modo, fica aqui um aviso aos leitores do Porto ( ou que se deloquem ao Porto de comboio)



Se encontrarem um táxi com a matrícula 00-EV- 29, pertencente à Auto Taxis Clesil,  de Vermoim- Maia, perguntem ao condutor se se chama Tozé. Se for, o melhor é não entrarem, porque o homem, além de antipático, é um grande vigarista!

Adenda:  Já o taxista que me trouxe hoje a Campanhã para apanhar o comboio de regresso a Lisboa era de uma extrema simpatia e educação. E, obviamente, nada me cobrou pelo transporte da pasta-mala.

3 comentários:

  1. E este simpático taxista (da adenda) trabalha para a Auto Taxis Clesil ou Uber?

    ResponderEliminar
  2. Já corre, e já assinei, uma petição online para pressionar o Executivo de Macau a legalizar a Uber

    ResponderEliminar