quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Esta mulher é um fenómeno!




Nasceu em Luanda em Setembro de 1974, veio para Portugal no ano seguinte e só voltou a Luanda em 2004, mas considera-se angolana. 
Tanto, que em entrevista a Anabela Mota Ribeiro não tem rebuço em afirmar que quando chegou a Angola pela primeira vez, com 30 anos, foi ver todos os locais que foram da sua vida e se sentiu em casa.
Memória de infância fantástica a desta mulher que saiu de Angola com menos de 1 ano!
Pelo meridiano de Cristas eu, que vivi mais tempo nos Estados Unidos, em Inglaterra, na Suécia, na Argentina ou em Macau, do que ela em Angola,sou um "cidadão do mundo".
E como os meus avós nasceram no Brasil e o meu pai viveu por lá, ainda posso ter mais uma hipótese de escolha. 

20 comentários:

  1. Quase todos os sujeitos que vieram destas bandas estão bem lançados na política e nos lugares de Estado. Souberam mentir muito bem e arranjar muitos certificados de habilitações falsos. esta além disso é muito precoce e deve ter feito hipnose regressiva. O Carlos claro que é um cidadão do mundo. Tanto mais que por onde passou tinha por obrigação reparar no que se passava à sua volta. Só não gosto dos avós brasileiros porque isso faz-me lembrar colonialismo e escravatura, que ainda hoje existe, embora disfarçada. Mas o Carlos não tem culpa nenhuma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como a minha avó era índia, Atena, se alguém foi escravizado foi ela.
      Já os tios e primos que ainda tenho por lá, variam e tenho uma tia (Ruth Escobar) que, embora tenha nascido no Porto, foi para lá com 10 anos e foi uma grande opositora da ditadura. Ainda hoje é uma mulher de esquerda muito respeitada no Brasil.

      Eliminar
    2. Conheço, parcialmente, as histórias polémicas da mulher artista e interventora política Ruth Escobar. Cá já se falou muito dela.

      Eliminar
    3. Desculpe a mudança de identidade mas às vezes esqueço-me que mudo de nome para ver o correio.
      Já agora pergunto-lhe: Os índios do Brasil têm olhos claros?

      Eliminar
    4. Ha índios com olhos claros, sim, mas nao era o caso da minha avo.

      Eliminar
    5. Amo o Brasil e é lá que quero acabar meus dias não em Portugal Pois me fartei de hipocritas e ladrões! Trabalho pelo mundo em refinaria de petróleo e de todos amei o Brasil e sua simplicidade! !!

      Eliminar
    6. Isso, isso.... dá-lhe por aí..... o roblema de em Portugal os políticos serem na maioria uns vigaristas não tem a ver com quem vota.... na sua triste opinião tem a ver com quem veio lá de fora. Vai-te tratar pá. interna-te.

      Eliminar
  2. Ai estes políticos!. Mentem tanto que se convencem a eles mesmo de que falam verdade.

    ResponderEliminar
  3. Ai estes políticos!. Mentem tanto que se convencem a eles mesmo de que falam verdade.

    ResponderEliminar
  4. E que fenómeno!Como este, nem no Entroncamento.

    ResponderEliminar
  5. E eu já sou mais chinês que português.
    Com um forte traço maquista.
    Não há traseiro que aguente!!
    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
  6. Sentir-se em casa nada tem haver com memórias de infância. Se visito o Canadá e me sinto em casa, é porque sou bem tratado e bem recebido. Se nasceu em Angola, é Angolana. Não vejo o interesse nem a lógica do sarcasmo, pois não disse nada demais. Eu se voltar aos sitios por onde passei com menos de um ano de idade e for bem recebido e tratado como familia, vão ver que tenho que me lembrar dalguma coisa pra me sentir em casa... Que infantilidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. É mesmo um infanticida(?).Para si já nao há crianças.Já agora diga aqui à gente, só de memória, os sítios onde esteve com menos de um ano e se ia a pé ou de carrinho.
      No Canadá ainda é o único sítio da América do Norte, onde há civilidade nas ruas e nas pessoas, porque a polícia não perdoa, mas já está tudo a mudar. Gostava de lá voltar mais duas vezes, uma no Outono, só para ver, do avião, o chão atapetado das folhas multicolores do ácer. Outra na Primavera para VER as flores crescerem, num instante.

      Eliminar
    3. Um cigano não responderia melhor.... você tem cá a pu ta duma lata.... Está-se mesmo a ver de que cor política é.... tenha vergonha na cara crlh.

      Eliminar
  7. entäo volta para là porque näo é Portuguesa

    ResponderEliminar
  8. Este tomou o Memofante já na barriga da mãe, e via tudo através da epiderme da mãe, kkkkkkkkkk.

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  10. Tem todo o direito de se considerar angolana e africana, uma vez que nasceu em Angola, África e mais, ex-colona.
    Um algarvio ou um minhoto deixam de ser portugueses por terem nascido no Algarve ou no Minho?
    As minhas filhas nasceram em Moçambique. Perguntaram-me um dia se eram europeias. Respondi logo que não. Que são africanas, refugiadas na Europa e quanto à nacionalidade são portuguesas, porque Moçambique era território português à data do seu nascimento.
    Se eu próprio, que fui para lá com um anos de idade e saí de lá com 34 por causa da descolonização sangrenta, embora português de nacionalidade, considero Moçambique a minha terra, que fará quem nasceu lá!...
    Pelo teor desta matéria, parece que há gente que ainda não perdeu os "tiques" metropolitas.

    ResponderEliminar