segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Dia do Postal Ilustrado (15)


O leitor António Luís Costa, que não tem blog mas quis participar neste passatempo,  enviou seis magníficos postais, incumbindo-me da espinhosa missão de seleccionar três.
Asseguro-vos que não foi tarefa nada fácil e, muito provavelmente, não serão os melhores, mas escolhi-os com base no critério da afectividade  e estas três cidades têm algo a ver com a minha vida. 
Quando terminar a publicação de todos os postais que me foram enviados pelos leitores, publicarei os restantes três enviados pelo António Luís Costa. Nessa altura poderão ajuizar se foi correcto o meu critério de escolha. 
Até lá fiquem com estes três exemplares dos anos 60:

 Avenida da República (Lourenço Marques 1969)

 Luanda (1968)



Av S. João  (S Paulo 1965)



Aviso: Como ontem expliquei aos leitores do CR, esta semana houve uma alteração no dia de publicação desta rubrica, por razões que me pareceram justificáveis.
As minhas desculpas ao leitor António Luís Costa e a todos que não gostaram da decisão do júri (MOI!)

20 comentários:

  1. As vistas dos postais são lindas.
    A do header do blogue, também. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A do header tenho a certeza que a luisa conhece bem :-)

      Eliminar
    2. Também não conheço a praia do header, Carlos, mas lembra-me a praia da falésia entre a Assafora e a Ericeira, que está fortemente ligada à minha juventude.

      Eliminar
    3. Esta é no Algarve, Luísa.Na Fuzeta, perto de Albufeira.

      Eliminar
    4. Já tinha lido que se tratava da praia da Fuzeta que não conheço, mas conheço a Albufeira, onde moram amigos holandeses e uma amiga alemã.

      O Algarve pertence aos estrangeiros, embora a minha filha Vannie se queixe, que este ano o Porto está cheio de turistas.

      Eliminar
  2. Gostei muito de todos os postais, mas tenho uma especial predilecção pelo do meio.
    Só por curiosidade, deixo um vídeo que mostra A NOVA CARA DA BAÍA DE LUANDA

    Parabéns ao leitor do CR pela feliz escolha.

    Votos de bom resto de domingo para todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peço desculpa, Carlos! Afinal, a escolha foi efectuada por si, entre os seis que o leitor do CR enviou. :)

      Eliminar
    2. Gostei de ver a nova Luanda, Janita!

      Eliminar
  3. Não tem que me pedir desculpas, Carlos. Gostei de participar e aceito, de bom grado, a sua escolha.

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito da escolha.
    E dos postais.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  5. Não conheço as cidades destes belos postais, mas neste momento gostava de me encontrar na cidade do Rio de Janeiro, apesar de clima de pessimismo sobre os Jogos Olímpicos no Rio, cuja abertura foi absolutamente fantástica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu só não conheço Luanda. Teresa, mas mesmo assim, a capital angolana está fortemente ligada à minha vida.
      Quanto à cerimónia de abertura também achei belíssima, pese embora a insistência em músicas antigas que, mesmo sendo universais, transmitem a sensação de que se foi pela via mais fácil.

      Eliminar
    2. Se não fosse um sinal de má educação, perguntava ao Carlos porque razão a capital angolada está fortemente ligada à sua vida.

      Sabe que fujo das músicas universais, mas depois da abertura dos Jogos, tenho estado a ouvir músicas brasileiras do meu tempo de menina e moça e, eu que nunca gostei de música brasileira, até estou a gostar.

      Eliminar
    3. Só não respondo à sua questão, porque se trata de uma questão pessoal que não gostaria de partilhar aqui. Mas deixo-lhe uma dica: tem a ver com guerra colonial e vidas que se perderam por lá.
      Quanto à música brasileira, nunca fui um fervoroso fã, quase incondicional e acéfalo como conheço muita gente. No Brasil fizeram-se coisas muito boas, mas também muito más que por cá venderam como paezinhos quentes. E não suporto as festas de passagem de ano, nem de Carnaval, precisamentem porque nos impingem música brasileira do mais piroso que há. Não tenho pachorra!

      Eliminar
    4. Penso que compreendi essa sua tragédia pessoal, Carlos.

      Por falar em "piroso", posso mandar um postal desse tipo?

      Eliminar