sexta-feira, 22 de julho de 2016

Nem só o Daesh festeja o ataque de Munique

Ainda não se conhecem os autores mas, tendo em consideração que o DAESH não reivindicou o atentado, especula-se ( com algum fundamento) que o ataque possa ter sido da iniciativa da extrema-direita alemã , porventura para "comemorar" esta data.
O Daesh não reclama a autoria, mas congratula-se com a morte de infiéis.
Não restam dúvidas que na Europa há muita gente  feliz por ele ter acontecido.Como Erdogan, por exemplo.
Durante umas horas a Turquia desapareceu dos noticiários e o tiranete deve ter aproveitado esse período para fazer mais algumas barbaridades que assim passaram despercebidas.
E se o ataque tivesse sido perpetrado por alguém a mando do ditador turco?
Hipótese pouco provável, mas não descartável.

7 comentários:

  1. NADA de expeculações, Carlos!

    Loiro ou moreno? Pouco importa, importa sim, a morte de 9 pessoas.

    ResponderEliminar
  2. O certo é que mortes de inocentes acontecem pela Europa a cada semana e nada que se faça diminui essa 'praga' chamada terrorismo
    Aqui, lutamos contra o tráfico de droga ha séculos e nunca debelamos essa outra praga.
    E todos continuamos sabendo a causa de tudo_ o desamor.
    E, nao aprendemos como amar uns aos outros.
    Estamos ferrados! rs

    ResponderEliminar
  3. O certo é que mortes de inocentes acontecem pela Europa a cada semana e nada que se faça diminui essa 'praga' chamada terrorismo
    Aqui, lutamos contra o tráfico de droga ha séculos e nunca debelamos essa outra praga.
    E todos continuamos sabendo a causa de tudo_ o desamor.
    E, nao aprendemos como amar uns aos outros.
    Estamos ferrados! rs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não precisamos de amar, precisamos sim, de respeitar!

      Eliminar
  4. O Carlos pensou que se tratava de um ataque da extrema-direita islamófoba, porque ele gritou “malditos turcos!”.
    A rivalidade entre alemães de origem estrangeira, mesmo com a mesma religião, é tremenda.

    Afinal, o alemão de origem iraniana não quis comemorar o ataque na Noruega, nem foi enviado pelo sultão turco.

    ResponderEliminar
  5. Deixem-se de atribuição de culpas e vejam como está o mundo através da opinião certeira de quem sabe o que diz. Escutem a 2ª parte deste programa a partir do 16' 20": http://www.rtp.pt/play/p2044/e244417/360/511393

    depois leiam esta notícia par ficarem mais animados, para não falar do que se passou hoje no Iraque: http://www.rtp.pt/noticias/mundo/jactos-russos-terao-alvejado-aerodromo-anglo-americano-na-siria_n935663. eu não estou a atribuir culpas a ninguém só estou a dizer que é muito mais complicado do que parece e que não vamos ter sossego nos próximos anos. não falo em décadas porque já cá não estarei. Sei que há jornais que, devido ao estatuto editorial, não falam em suicídio para evitar o efeito de mimetismo, agora imaginem que todos resolvem chamar a as atenções mesmo esquecendo os xiitas, os sunitas, os psicóticos, os bêbados, os cornudos, etc. Acho que não vale a pena fazer conjecturas, mas chegar a uma triste conclusão. o filme de Claude Lelouch "L'Aventure c'est l'Aventure" tem esta sinopse "Après 1968, devant un monde en apparente effervescence, trois truands (Ventura, Brel et Denner) et leurs deux sous-fifres (Maccione et Gérard) recyclent leurs méthodes traditionnelles de gangsters et décident de jouer la politique pour leurs méfaits : enlèvement de Johnny Hallyday (avec sa complicité, pour une campagne promotionnelle), mercenaires pour une armée révolutionnaire d'Amérique centrale (sans le sou mais qui en trouvera...), détournement d'avion non-violent, et bien d'autres surprises entre la France et l'Afrique." que dá para cada um pensar o que quer, mas não é comédia balofa e tem uma banda sonora porreira para a época.

    ResponderEliminar
  6. Um dos gajos que atirou a matar é alemão. Só assim se explica que as autoridades tenham já vindo a terreno dizer que se trata de uma pessoa há algum tempo com problemas psiquiátricos com acompanhamento clínico.
    Por isso eu digo que o 'herói' é alemão. Não me consta que haja informação cruzada entre os psiquiatras de todo o mundo.

    ResponderEliminar