sábado, 16 de julho de 2016

Eu seja ceguinho...

...se não desconfiei da notícia sobre a posição de Cavaco no Conselho de Estado. Parecia-me ouvir o duende que sempre me aconselhou ao longo da vida de jornalista a nunca escrever nada sem ter certezas a dizer " não caias nessa, pá!".
E eu replicava:
"O Cavaco deve ter interesse em que isto se saiba, senão já tinha desmentido".
Escrevi o post, mas deixei-o em stand by 24 horas à espera de um esclarecimento, justificação ou desmentido, mas nada. 
Por isso avancei. Quinta feira, ao final do dia, o "Expresso" noticiava que afinal Cavaco nem se tinha pronunciado sobre as sanções.
Não fiquei descansado. Nem furioso. Fiquei apenas triste por não conseguir saber qual dos jornalistas estava a mentir. Uma situação que já se tornou recorrente, tantos são os casos de manipulação jornalística.
Foi para isto que criaram os cursos de comunicação social? No meu tempo não era preciso ter um curso. Aidoneidade era suficiente e quem fizesse uma borrada destas tinha o destino traçado.
Agora, que temos os jornalistas doutores, chegámos ao ponto de não podermos confiar numa palavra do que escrevem.
Adenda: o pedido de levantamento de sigilo feito por Lobo Xavier ao PR, desfez-me a maioria das dúvidas. Só fico sem saber se o jornalista que escreveu a mentira foi enganado pela fonte ou, pelo contrário, enganou deliberadamente os leitores. Era importante saber a resposta mas, infelizmente, nunca saberemos.

3 comentários:

  1. Se tivermos em atenção a falta de profissionalismo que existe no jornalismo, percebemos tudo.

    ResponderEliminar
  2. Eu acho que no meio é que está a virtude. Pode não ter falado sobre as sanções, mas deu uma lição de economia e finanças sobre a situação e estava interessado que a notícia viesse cá para fora por alguma razão. o Lobo xavier sabe muito bem como diz as coisas e só diz o que lhe interessa. Não acredito que tenha sido para defender a honra do graveto. Ele quis abrrir um precedente para...

    ResponderEliminar
  3. Há muita gente com um natural preconceito contra o anterior PR, não precisa cegar.

    ResponderEliminar