sábado, 23 de julho de 2016

Estou muito mais descansado ( ou talvez não...)

O post anterior, em que levantava a hipótese de o ataque ao centro comercial em Munique ter sido uma encomenda de Erdogan,  continha uma boa dose de ironia.
É que depois de  Merkel ter dito que o que se passou em  Munique não  foi um ataque terrorista fiquei  mais descansado, mas  um bocadinho confuso.
Felizmente, umas horas depois, veio um senhor qualquer à RTP3 explicar que a senhora Merkel tinha razão. O que se passou em Munique não foi terrorismo, porque não foi um ataque jihadista.  Segundo o especialista em causa, terá sido "um acto ameaçador motivado por questões ideológicas que tinha por objectivo contestar a política europeia em relação aos imigrantes". E até comparou com o que se passou há cinco anos em Oslo, que para o dito especialista também não foi terrorismo.
Fica assim confirmado o que eu escrevera ontem. Quando a extrema direita mata não há terrorismo, mas sim divergência ideológica.
Graças à senhora Merkel  fiquei a perceber ainda melhor  as causas do estado a que a Europa chegou. Tornou-se absolutamente clara a razão de a UE não decidir nada e, melhor ainda, o silêncio sobre o golpe na Turquia.
Fiquei muito preocupado mas, felizmente, as  informações contraditórias da polícia alemã , a esclarecedora conferência de imprensa  e os  especialistas que vão às televisões descansar as pessoas explicando o que distingue um ataque terrorista de  "um acto ameaçador motivado por questões ideológicas que tenha por objectivo contestar a política europeia em relação aos imigrantes".
Não sei como isso encaixa com o facto de o atacante ser germano-iraniano, mas isso também não deve ter qualquer importância.
Fiquei com a sensação- mas isso o especialista não disse- que a Alemanha está livre de actos terroristas. E isso deixou-me muito mais descansado. Ou talvez não...

17 comentários:

  1. Já cá faltava a velha história de transformar terroristas em coitadinhos mentais.
    As autoridades alemãs já vieram dizer que um dos responsáveis pelo tiroteio em Munique é uma pessoa que andava em tratamento psiquiátrico há vários meses.
    É preciso dizer mais?

    O "senhor qualquer" - porque é mesmo um senhor qualquer - que ontem à noite disse essas barbaridades, ele sim deve andar em observação psiquiátrica. Só assim se explica o que disse.
    Desculpará, Carlos, mas agora vou dizer uma inconveniência: de há umas semanas para cá, qualquer merda serve para dizer coisas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para o familiar dos mortos pouco interessa os motivos do tiroteio em Munique.

      Eliminar
    2. Isso aplica-se a qualquer atentado, seja ele onde for Teresa.

      Eliminar
    3. Se o tipo anda a fazer tratamento, o melhor e mudar de psiquiatra,Antonio

      Eliminar
    4. O psiquiatra que o andava a tratar o David S. era português, Carlos.

      Eliminar
  2. Eu optaria pelo não. De facto, o caso não é de molde a ficarmos mais descansados. Como diria o outro: muito pelo contrário.

    ResponderEliminar
  3. Enquanto os ataques são na Alemanha, o Carlos pode andar descansado...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculparás, Teresa. Ninguém fica mais descansado sejam os ataques TERRORISTAS, onde quer que sejam, na Alemanha, inclusive!!
      Tudo o que espalha a morte e terror é fruto de um acto terrorista, obviamente, a tua amiga é que diz o contrário.
      Assim como é óbvio que o "descanso" do Carlos se reveste de pura e triste ironia....
      Isto foi escrito em resposta à observação sem sentido de Angela Merkel.
      Peço desculpa, Carlos. Meti o bedelho e, se calhar, não devia.

      Eliminar
    2. Após reunião com o Conselho Federal de Segurança em Berlim, Angela Merkel disse que o povo de Munique viveu uma tarde e uma noite de terror e expressou compreensão com a sensação de vulnerabilidade que ataques como esse podem gerar na população, já que ocorreu num lugar onde qualquer um poderia estar e deixou os alemães com a pergunta:

      "Onde estamos seguros?".

      Palavras com sentido profundo da nossa chanceler.

      Beijinho triste, Janita.

      Eliminar
  4. Nao ando descansado porque tenho amigos na Alemanha.Que também se preocupam com os atentados noutros países. Inclusivamente em Portugal, onde muitos alemães gostam de passar ferias, mas exigem sanções por causa de 2 decimas de défice. Se os alemães fossem tão solidários com os outros povos, como são os portugueses, o mundo seria muito melhor. Pena que as salsichas e a cerveja lhes toldem o raciocínio e bloqueiem o coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As salsichas e a cerveja não toldem o nosso raciocínio e bloqueiem o nosso coração, Carlos.

      Luto e ira pelas vítimas e pelo absurdo do acto, assim como um tranquilo orgulho pela solidariedade e prestatividade dos moradores de Munique, abrindo suas portas e casas.

      Quais são os outros povos solidários com Portugal?

      Eliminar
    2. Franca, por exemplo, Teresa.Quanto ao psiquiatra de que aqui se falou nada tem a ver com o terrorista, mas sim com um senhor que apareceu aqui numa TV.

      Eliminar
    3. A sua amiga Helena Ferro de Gouveia escreve:

      "Só que este crime horrendo não é um acto terrorista. Não tem motivação política. Foi o acto de um lobo solitário que admirava por exemplo o atirador de Winnenden e outros atiradores que cometeram massacres em escolas alemãs (a Alemanha tem um triste historial nesta matéria)."

      Eliminar
    4. A França até quando?

      A Marine Le Pen já está à espreita com os líders da Holanda e da Áustria... e Portugal e a Grécia são os primeiros a serem expulsos da UE.

      Eliminar
  5. Pararam uma cidade, como Munique, por causa dum atirador "maluco". Quantas pessoas terão morrido por falta de assistência médica, entretanto? isto só prova que Alemanha não está preparada para situações destas. Os outros arrumaram as situações com muito menos espalhafato. Apenas condecoraram uma porteira, etc e tal. Mas se em Portugal chamassem aos governantes "o "nosso" Primeiro- Ministro António Costa (incluindo portugueses), em vez de lhe chamarem monhé, como chamam "nossos" na Alemanha tal a nossa situação fosse melhor.
    Ontem os "professores" aproveitaram para dar lições nas televisões por isso é que eu acho interessante que se saiba o que as pessoas pensam e o que vai pelo mundo e não ficarmos tão descansados. E como ficaremos se uma trumpa for eleita?!

    ResponderEliminar
  6. A hipocrisia e a falta de vergonha não deixaram de ter limites - e isso é criminoso!

    ResponderEliminar