terça-feira, 28 de junho de 2016

Encalhado numa tarte de maçã





-Então hoje não leva maçãs reineta?
- Não.
-Porquê?
- Porque as últimas vezes que levei maçãs daqui estavam todas bichadas por dentro.
- Coitados dos bichinhos, também têm direito a comer maçãs.
- Pois têm mas o PAN que pague as maçãs deles, porque eu não tenho dinheiro para alimentar os meus vícios, quanto mais os dos animais.
- E continua a gostar de tarte de maçã?
- Sim. Como sabe?
- Servi-o  muitas vezes, durante vários anos, num restaurante ao pé da AR. Sempre que o senhor  chegava eu já sabia o que queria: hambúrguer com batata assada e, de sobremesa, tarte de maçã. Era sempre eu que o servia e nunca mais me esqueci da sua cara!
- E lembra-se quando foi isso?
- Claro que lembro. Trabalhei naquele restaurante entre 89 e 94!
- Muito bem. Boa memória!
- O senhor não se lembra de mim, pois não?
- Não. Peço desculpa, mas nunca fui muito bom a fixar nomes e caras. É um problema, porque às vezes faço figura de malcriado…
- Não tem mal. Eu compreendo…
( Momentos depois, já na rua)
- Então ias àquele restaurante e não te lembras da rapariga? Ao menos podias ter dito “ai, agora que fala estou a reconhecê-la…”- Mas como é que eu podia dizer isso se nem sequer vivia em Portugal naqueles anos?
- Então porque é que não desfizeste o engano?
- Viste o sorriso de felicidade dela por me ter reconhecido?
- Vi…
- Achas que tinha o direito de lhe dizer “ olhe, deve estar enganada, não era eu, deve estar a confundir-me com outra pessoa…”

13 comentários:

  1. Nada melhor que fazer uma pessoa feliz :)

    ResponderEliminar
  2. O Carlos volta às crónicas/histórias de que eu tanto gosto.

    Beijinho de uma mulher feliz.

    ResponderEliminar
  3. A rapariga trabalhou no restaurante entre 89 e 94. Em 2016 ainda continua rapariga??? Estranho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era isso que wu ia perguntar:) de qualquer modo não custa nada deixar alguém feliz desde que isso não prejudique outros.

      Eliminar
  4. Eheheh,pois, a Ematejoca tem razão, a rapariga já deve estar um bocado madura! :)))

    Mas gostei da crónica,embora o título me tenha feito lembrar uma pavlova que comi no outro dia e ainda não me saiu do pensamento...

    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Afinal, é preciso tão pouco para 'não' fazer uma pessoa 'infeliz'...
    Gostei dessa sempre 'rapariga', e da sensibilidade do Carlos!

    Também gosto muito de tarte de maçã, mas raramente as faço com maçãs reineta/cipriega. Gosto mais da golden.

    Continuação de boas férias, Carlos!

    ResponderEliminar
  6. Concordo..por que destruir uma boa lembrança, não é?
    Quanto à tartes de maçã, é algo que amo de paixão. De todos os tipos, alturas, larguras e nacionalidades.Quando estive em N.Y. provei (e repeti algumas)15 "apple pies" de lugares diferentes.Muitas vezes troquei o almoço por uma tarte de maçã com café expresso e chantilly.

    ResponderEliminar
  7. ~ ~ ~
    Quando vi a «apple pie», pensei que o Carlos estivesse
    em terras de Sua Majestade.

    A simpatia, delicadeza e bondade no trato são uma arte
    que só alguns conseguem cultivar.

    ÓTIMAS FÉRIAS.
    Abraço.
    ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Normalmente os empregados nos restaurantes, em terras de sua majestade são portugueses.

      Eliminar
  8. Por momentos fez uma pessoa feliz mesmo com uma não verdade. Que importa o resto?

    ResponderEliminar
  9. Piedosa mentira
    Aposto que a rapariga era bonita

    ResponderEliminar
  10. A rapariga deverá andar a beirar os 50 anos...
    Se a mentira faz uma pessoa feliz, tem razão de ser.
    Um abraço e boas férias.

    ResponderEliminar
  11. Nem sempre a verdade é o melhor caminho. Coisas estranhas que a ida tem...

    ResponderEliminar