terça-feira, 14 de junho de 2016

Descendo à terra...

Agora que os portugueses desceram à terra e talvez deixem de sonhar com finais e títulos europeus e essas tretas todas, há duas explicações para o empate:
- Apesar de no estádio os portugueses serem quase o dobro dos islandeses, os nórdicos faziam muito mais barulho;
-Não jogamos nada!(Principalmente depois de estarmos a ganhar).
E porque é que não jogamos nada, depois de termos feitos jogos de preparação fantásticos?- pergunta um tipo que não deve ter visto o jogo com a Inglaterra
-Porque os jogos eram a feijões e as selecções com quem   jogamos "fantasticamente" durante a preparação, não se apuraram para o Euro.



17 comentários:

  1. Para mim devia acabar já, porque eu estou farta de futebol em todo o lado. Por causa disso acabei por voltar a ver " Million Dollar Baby" e apesar de conhecer o filme de trás para a frente fui para a cama triste com este mundo imundo. Lembrei-me também dum amigo reaccionário, com quem fui ver o filme em 2005, e que se julga muito importante, pelo menos socialmente dá-se com canalha da alta, mas quando lhe perguntei, à saída do filme, o que é que tinha achado, respondeu-me: "não gosto de boxe!" sabendo eu que o Clint teve propostas fabulosas se quisesse fazer um filma comercial sobre box, mas acabou ele a produzir, como já tem feito em muitos outros, que têm sido uma obras- primas, apeteceu-me mandá-lo à merda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe, Anfitrite, mas o seu amigo reaccionário tem um humor seco como eu gosto.

      Eliminar
    2. A Anphy está com os azeites. Ora esta...

      Eliminar
  2. E no final do jogo alguns nem sabem quantos golos marcou o adversário.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Ora nem mais... As celebrações em Portugal terminam sempre com o primeiro jogo da seleção e voltamos à modorra do costume. Espero que o pobre do Fernando Santos não passe de bestial a besta num instante, porque ele até nem é mau treinador. E há sempre o Mundial daqui por dois anos se o Trump não rebentar com o planeta no entrementes...

    ResponderEliminar
  4. Será o tema de hoje lá no blogue.
    Não euforias, nem depressões.
    Também neste tema estou com o PR.

    ResponderEliminar
  5. Sem imposturas tolas, como diria o Cesário, admiro a alegria, a entrega, a crença postas neste partir pedra com as mãos, época após época, à espera do jorrar do petróleo.
    Futebol é a nossa montanha russa das emoções.

    ResponderEliminar
  6. Eu gosto de sonhar, mas com algum realismo :)

    ResponderEliminar
  7. Por vezes, o problema é achar que a vitória já está no papo...

    ResponderEliminar
  8. Uma vez mais não vamos a lado nenhum.
    E ninguém assume uma renovação sustentável. Desde os dirigentes federativos que passam a vida a sonhar, ao medroso seleccionador, é uma cambada de insustentáveis.

    ResponderEliminar
  9. Islândia surpreende e empata com Portugal.

    QUE GRANDE DISPARATE, o Carlos dizer que não jogamos nada, fomos de longe a melhor equipe.

    Afinal, o Ricardo Quaresma não faz milagres com a bola.

    Força Portugal contra a Áustria, embora ela seja a minha terceira favorita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será disparate, mas a verdade é que não jogámos mesmo nada e o seu vot de confiança na vitória de Portugal, foi um prognóstico falhado.
      Quanto ao Quaresma, qualquer cego futebolístico sabe que rende mais quando joga de início. Lançá-lo a 15 minutos do fim, à espera que fizesse mais um milagre, foi abusar da sorte. Tivemos o que merecemos e o resto é conversa. Da treta :-)
      Hoje sou eu a pedir-lhe para não se zangar comigo. Não ligue, porque há muito que me estou marimbando para a selecção onde, apesar da limpeza feita por Fernado Santos,ainda há alguns mercenários. Claro que torço por Portugal, mas não verto uma lágrima, nem um suspiro, quando somos eliminados ou fazemos figuras tristes como na final do Euro 2004, graças a um treinador que a única coisa de que gostava em Portugal era dos euros que lhe entravam na conta bancária, graças aos papalvos da FPF.

      Eliminar
    2. Claro que não me zango consigo, Carlos. É possível que eu tenha visto o jogo de ontem com o meu olho cego.

      Os meus filhos e o namorado da minha filha mais nova afirmaram que a selecção portuguesa jogou para ganhar. Eu sei, que eles me queriam animar, porque eu estava quase a chorar. Também sei, que a selecção alemã é a favorita deles.

      Mais tarde a TV alemã também confirmou que Portugal foi a melhor selecção, só que teve pouca sorte em não meter golos, embora tenha tido imensas oportunidades.

      Confesso que estou triste, mas continuo a acreditar na selecção nacional e no número 7.

      Vamos lá ver no sábado contra a Áustria.

      Eliminar
    3. Em 2004 eu gostava dele treinador e julgo que fizemos bons jogos e os portugueses tinham razões para estarem esperançosos.

      Eliminar
  10. Que diremos nós? nunca mais seremos os mesmos ... tudo por aqui é vergonha.Restava imaginar que poderíamos ter alguma alegria vendo futebol ⚽ bonito como antes.Estamos ferrados em todos os níveis Carlos.VIva Portugal pra quem eu torço , sempre.Abraço

    ResponderEliminar