sexta-feira, 24 de junho de 2016

Cobardia?

Se a Inglaterra está hoje de saída da UE, o principal responsável chama-se David Cameron. Foi ele que, ao ver fugir-lhe a possibilidade de uma vitória nas eleições de 2015 cedeu à pressões do UKIP e prometeu fazer um  referendo sobre a permanência na UE.
À custa desse compromisso venceu as eleições e cumpriu a promessa ( coisa rara e de louvar). A vitória do Brexit confirma que Cameron apenas conseguiu adiar a derrota. Tiradas as ilacções, Cameron demitiu-se dizendo que deve ser outro a liderar as negociações com a UE para a saída.
Já ouvi dizer que a decisão é um acto de cobardia. Discordo. É apenas a consequência natural de uma derrota num referendo em que ele tinha posto a cabeça no cepo. E ele sabe que, pior ainda do que o Brexit, esta derrota significa a desagregação da Grã Bretanha. Ser-lhe ia impossível continuar em Downing Street com um ambiente tão desfavorável.

5 comentários:

  1. Andamos perplexos...
    O pais dos lordes a fazer o pino!!
    Bj
    ~
    Ps - Ainda não estou na lista!

    http://avivenciaravida.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Cameron não tinha outra saída. Obviamente.

    ResponderEliminar
  3. E tudo mudou!
    Eu acho que os políticos falam uns para os outros e não querem ou não podem falar para o comum dos mortais grande parte dos votos são de eleitores nada esclarecidos que ao votar e mudam a "trajectória" prevista. Hoje, depois de conhecerem os resultados houve uma grande procura de pesquisa no google fazendo estas duas perguntas: o que é a EU e quais os países fazem parte dela???? Curioso!

    ResponderEliminar
  4. É mesmo cobardia! Ele não quer que o nome fique associado a tal facto, nem às consequências. Razão tinha o grande De Gaulle, que fê-los sofrer durante 10 anos, opondo-se sempre à sua entrada na CEE.
    Segui a contagem até ao fim e às 5 da manhã já se tinha a certeza da saída, face aos votos apurados e os que faltavam para ganhar. É revelada a importância da Educação quando friamente se vê que Cambridge só 26.2 votaram pela saída, assim como Oxford 29.7 e os interesses da City 24.7%. E agora spain... e eu fico-me por aqui: https://www.youtube.com/watch?v=CaexXJ6UFnw

    ResponderEliminar
  5. Desta vez, concordo com o Carlos.

    O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, criticou duramente o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, por este pretender renunciar somente em Outubro e não imediatamente.

    Reunidos em Berlim, ministros do Negócios Estrangeiros querem que os britânicos iniciem processo de saída o mais rapidamente possível e querem ainda que Reino Unido tenha um novo primeiro-ministro imediatamente.

    A vingança dos espadinhas???

    ResponderEliminar