quinta-feira, 19 de maio de 2016

A Domadora de Camaleões


Acabei de ler o livro de Helena Ferro Gouveia. Sendo um conjunto de crónicas,  li-o da mesma forma que leio todos os livros de crónicas e de contos. Devagarinho, para saborear melhor e reflectir um pouco sobre cada texto.
E há muito para ler.
Seguindo a ordem  escolhida pela Helena, o livro começa com  Crónicas de viagens (  do Brasil da Copa ao Sudão do Sul em guerra, passando pela Bolívia, Egipto ou EUA e  histórias de aeroportos onde se inclui um  stop over em que "aparece" Drummond para uma conversa inesperada).
Segue-se um conjunto de crónicas sobre a geografia dos afectos que parece dividi-la ( esta é a sensação que eu tenho desde que comecei a seguir o blog da Helena): Alemanha e Portugal.  Se a ordem é arbitrária, ou meramente circunstancial, só ela saberá responder.
O capítulo sobre as filhas é composto de crónicas enternecedoras, por vezes  hilariantes. Depois de uma curta viagem gastronómica,seguem-se Crónicas Avulsas, Crónicas sobre Mulheres,  Crónicas à volta dos livros e, a terminar, dois curtos contos e uma série de poemas.
Durante a leitura de  "Domadora de Camaleões" dei por mim a pensar esta mulher escreve com o coração!
Na verdade, na escrita simples, directa e coloquial de Helena Ferro Gouveia, não se descortinam subterfúgios, meias palavras, frases dúbias. Tudo é directo, simples e cristalino, confirmando o que a autora disse na apresentação do livro na Livraria Ferin: uma enorme vontade de comunicar.
Leiam esta Domadora de Camaleões, saboreando cada crónica, para tirar mais partido do prazer da leitura que a Helena nos proporciona com a sua escrtita despretensiosa.



4 comentários:

  1. Embora não me agrade as mulheres que escrevem com o coração, receio sempre pieguice sentimental, o título "Domadora de Camaleões" é mesmo ao meu gosto, além disso, gosto muito de ler crónicas.

    Obrigada pela dica, Carlos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é nada piegas, Ematejoca. A Helena é uma jornalista de mão cheia e uma mulher de extraordinária coragem. E, como já uma vez lhe disse, vive em Bonn.

      Eliminar
    2. Acredito que a Helana não seja piagas, Carlos, eu comentei apenas que tenho receio dos homens ou mulheres que escrevem com o coração, ou prefiro que escrevam com a razão.

      A Helena tem toda a minha simpatia por viver na cidade de Ludwig van Beethoven.

      Um bom fim de semana e continuação de boas leituras.

      Eliminar
  2. Registo a sugestão de muito bom grado.

    ResponderEliminar