terça-feira, 26 de abril de 2016

Puten! *



Em 1985, uma crónica de Helena Vaz da Silva com o título deste post, publicada  no DN deu brado.  A então presidente do Centro Nacional de Cultura contava a estória de um emigrante luso na Alemanha  que, roído pelas saudades, chegou à bilheteira da estação de comboios da terra onde vivia e pediu:
" Ein billeten iden und wolten"
Sem perceber patavina, o funcionário perguntou
"Sprechen sie Deutsch?"
" Puten"- respondeu o emigrante
Contada a estória, Helena Vaz da Silva remata a crónica com uma pergunta:
" O que fazem os cidadãos portugueses para evitar o afundamento do país?"
E ela própria dava a resposta: "Puten!

Creio que vale a pena recordar esta crónica neste 25 de Abril que, quatro anos depois, volta a ter o cheiro a cravos e uma mensagem de esperança no futuro.
Ainda falta muito para recuperar o que perdemos nos últimos quatro anos mas, se este período negro do coelhoportismo tiver servido para não voltarmos a cometer os mesmo erros, nem tudo estará perdido e talvez possamos confiar num futuro mais risonho.
Importante é que os portugueses não continuem com a mesma atitude de fazerem " Puten" para salvar os valores de Abril.




* Esclarecimento aos leitores que não saibam alemão. Puten ( plural de Pute) significa perús. Razão porque escolhi a sua imagem  em vez dos cravos habituais.
É uma "homenagem" ao comportamento dos portugueses que reclamam de tudo e não fazem Puten para defender os valores de Abril.

5 comentários:

  1. Viva o 25 de Abril, sempre !

    Excelente a crónica de Helena Vaz da Silva e aplaudo para ti por a lembrares.

    Oxalá aprendamos com os erros, sim.

    Um bom 25 de Abril para ti, amigo.

    ResponderEliminar
  2. Normalmente, quem mais reclama é quem mais "puten".

    ResponderEliminar
  3. Dificilmente se recupera o que se perdeu, acredito mais na hipótese de evitar que se perca mais! Há atitudes que nunca chegam ser entendidas.
    Gostei de ler a crónica.

    Beijinho Carlos boa semana.

    ResponderEliminar
  4. Gostei (mais uma vez) do PR.
    Que diferença, caramba!!

    ResponderEliminar