terça-feira, 19 de abril de 2016

Ficam desde já avisados

Se esta petição for apreciada favoravelmente na AR e posteriormente regulamentada e vertida em forma de Lei, os senhores doutores vão ter mais tempo para fazer mais um biscate numa clínica privada...

10 comentários:

  1. Deixe de ser má língua. Espero que seja aprovada.

    ResponderEliminar
  2. já agora mais um subsídio até os filhos casarem. Pois não se fique a rir mas na CMCascais, havia mães que tinham direito a essas horas de amamentação, mas como não as gozavam recebiam-nas como horas extraordinárias. Pode crer que é verdade, eu sou testemunha. Se assim for como irão aumentar as adopções só para terem esse direito e o processo até passará a ser muito mais rápido. Vão deixar de se preocupar com certas condições, com que afinal nunca se preocuparam. Não sei se viu os últimos programas sobre este assunto em que uma médica foi declarada incapaz só porque era muito mais velha do que o marido. É verdade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu conheci bem esse e outros casos que se passavam na CM Cascais, Anfitrite. Um regabofe que se estendia a outras Cãmaras à Administração Central e às escolas. Professoras que utilizavam as horas da amamentação para dar explicações, posso apontar-lhe mais de 20!

      Eliminar
  3. Carlos, li atentamente e compreendi uma coisa e outra não: O que compreendi, foi que o Carlos não "suporta" tal pretensão; o que não entendo é essa coisa do biscate e qual a relação!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu compreendo perfeitamente tal pretensão, Rogério. O problema é que não sou ingénuo e sei muito bem para que serve: para os médicos irem trabalhar para clínicas privadas ou para os seus consultórios. Tive muitos anos disto e conheço bem os casos que a Anfitrite relata. Mas não se passaram apenas em Cascais, não...

      Eliminar
  4. Carlos, eu acho que não estou assim tão esclerosada. pelo menos deduzi que uma pessoa com mais tempo livre pode ter mais um biscate e quando essa petição parte da ordem dos médicos, não nos restam dúvidas...

    ResponderEliminar
  5. Pois é, Carlos, as intenções, que podem parecer muito boas, muitas vezes não têm nada de nobre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A intenção é boa, Pedro, o povo é que não presta!

      Eliminar
  6. Partindo a iniciativa da Ordem dos Médicos, é lícito pensar que se pretende algo de melhor para a classe.

    ResponderEliminar

  7. Faz hoje um ano que publiquei isto no FB, com este meu comentário:

    20 de Abril de 2015 às 2:47

    E é num hospital que isto acontece?! Estamos bem pior do que no tempo do Estado Novo. Nesse tempo até se dava alimentação em espécie, que servia também para os pais que passavam fome, ou para as mães na zona do Bairro Alto trocarem por verniz para as unhas já que a Misericórdia tratava dos filhos. A minha Caixa foi pioneira neste paternalismo.
    Como disse o CBO "quem teve esta ideia merecia que lhe espremessem os tomates até sair Ketchup"

    https://www.publico.pt/sociedade/noticia/enfermeiras-obrigadas-a-espremer-mamaspara-provarem-que-estao-a-amamentar-1692832

    Este País não tem mesmo conserto. Quando encontram um bocadinho mais brando carregam com mais força que é para estragar tudo.






    ResponderEliminar