terça-feira, 1 de março de 2016

Nouvelle cuisine





Não sou  grande apreciador da nouvelle cuisine. Apesar de cultivar uma alimentação frugal e adequada à idade, sou  mais de sarrabulhos, feijoada à transmontana ou favas com entrecosto, quando amesendo com  amigos em prolongado convívio.
No entanto, como (quase) todos os homens, sou fraco perante os exóticos gostos das mulheres e  por vezes concedo visitar esses altares da gastronomia, cedendo ao apelo de vozes femininas a quem estes locais onde o preço de uma refeição é inversamente proporcional ao da quantidade  de comida que nos colocam no prato, agrada sobremaneira.


 Tal como acontece com os títulos nobiliárquicos e a avaliação dos produtos tóxicos pelas agências de rating,  nestes restaurantes onde se fala em surdina e  os empregados nos rodeiam  a mesa como se estivessem a executar um bailado em pontas, enquanto decantam o vinho,  o nome dos pratos também é determinante para a elaboração do preço. Já aprendi, por isso, que quanto mais sofisticado for o título do prato colocado na coluna da esquerda das ementas, mais  desproporcionada será a relação qualidade preço fixada na coluna da direita.
Apesar de ser uma pessoa mais ou menos familiarizada com os segredos da culinária, não foram  raras as vezes em que já me senti tentado a propor a existência de um glossário acompanhando as  ementas, para evitar  o incómodo de perguntar ao empregado:


 “ Desculpe, mas o que é isto de línguas de fettucini com repas de suíno em couli de frutos silvestres?”


 Não é que não me tivesse passado pela cabeça que a tradução correcta fosse “ pasta com presunto,  ensopada num molho agridoce”, mas nestas situações gosto sempre de confirmar, se  um prato daqueles vale mesmo 25€!
Bem, mas neste restaurante a que fui atraído pelos pedidos dengosos de Marlene Vanessa, a tradução até nem era difícil. Havia, por exemplo,  “ O prato que a Branca de Neve serviu aos 7 anões”*, que a Ana Zannatti me ensinou a confeccionar  nos longínquos anos 80 e que por vezes reproduzo fielmente, para  impressionar alguns convivas que aportam ao meu rochedo.
Também não tive dificuldade em interpretar  o significado de “ Cama de borreguinho  em almofada de cítricos e lençol de frutos do Atlântico”. Não me pareceu nada módico que me cobrassem 20€ por um bocado de borrego  recostado sobre uma rodela de laranja com sumo de limão e coberto por umas rodelas transparentes de ananás dos Açores” mas, à falta de alternativas que me fizessem explodir no palato as excrescências salivares, foi este o prato que escolhi.
Já a Marlene Vanessa escolheu, sem hesitações,  “Espuma de ruibarbo e rabano com espargos salteados, alcachofra, portobellos e tomate cereja”. Não sei se a escolha teve a intenção de me provar os seus conhecimentos da nouvelle cuisine, ou foi motivada pela sua aposta numa dieta que lhe permita  manter firmes as curvilíneas formas  que, a cada passada,  parecem  indecisas entre saltar da blusa prudentemente desabotoada no topo, ou pela generosa racha da saia que permite antever o prazer do pecado da carne.


Sei, é que Marlene Vanessa recusou o “amuse bouche”  de anchovas  de escabeche com raspas de tomate, cebola  e coentros, que nos serviram para amenizar  a espera e invocar o néctar de Baco, criteriosamente por mim escolhido. Exibindo os conhecimentos adquiridos na Faculdade de Medicina –  que garante  aplicar nas dietas nutricionais prescritas aos seus pacientes-  Marlene teceu uma longa dissertação sobre os malefícios das anchovas para a pele, que  apenas me despertaram o apetite para abocanhar a dose dela. Porém, o recato que um homem deve ter nestes locais inibiu-me de o fazer e, se lamentei não estar a jantar no tasco do senhor Alexandre, para deixar a gula em roda livre, logo me reconfortei ao pensar que outros pitéus me poderiam estar reservados para mais tarde.


O jantar decorreu naquela conversa pisca-pisca  que deixa sempre no homem a dúvida de estar a ser  cana de pesca  ou isco para o anzol.  Quando, no momento de pedir o café, sugeri um digestivo, Marlene Vanessa  colocou o duque de trunfo na mesa, cortando-me a manilha de copas:


"Já é um bocado tarde e gostava que fosses lá a casa para me dares a tua opinião sobre dois quadros que comprei no fim de semana. Podíamos tomar lá o copo. Que te parece?”


Neste momento, se o protagonista masculino fosse Santana Lopes, talvez tivesse pensado que estava a ouvir o tão famoso concerto  para violinos de Chopin mas, como  sou pessoa buçal e de gostos simples, apenas pensei: “Que se lixe! Quero lá saber se sou cana ou isco…o importante é que haja pescaria!”.


E foi assim que, a pretexto de apreciar duas obras de arte, algumas horas mais tarde estava a apreciar pormenorizadamente os relevos de uma outra em três dimensões que não vinha no catálogo, mas tinha a preciosa vantagem de falar e ser sensível ao toque.


Deitado na cama perfumada  de Marlene Vanessa,  não senti falta dos lençóis de frutos dos Açores, nem da almofada de citrinos. Lembrei-me apenas da Branca de Neve e das vantagens da “nouvelle cuisine”.

Aviso aos  leitores: este post pretende ser uma homenagem à Restaurante Week que está a decorrer em vários locais do país até dia 6 de Março
Em virtude da falta de inspiração que por aqui tem reinado, reproduzo esta croniqueta que publiquei em primeira mão em Abril de 2012, aqui

*“ O prato que a Branca de Neve serviu aos 7 anões” é um gratinado onde o ingrediente base é o queijo da serra, recheado com  carne picada.

11 comentários:

  1. O aviso aos leitores estragou um tanto a estória que, até aí, ia muito bem encaminhada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faço minhas as suas palavras!
      Isto não se faz!

      Gostei, Carlos.

      Beijo

      Eliminar
    2. Faço minhas as suas palavras!
      Isto não se faz!

      Gostei, Carlos.

      Beijo

      Eliminar
  2. Repostou e muito bem, que a"croniqueta" está genial. Só faltou foi dizer qual era o prato da foto... :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  3. A nouvelle cuisine não me inspira. Pratos em que tenho de perguntar significados ou deitar-me a adivinhar os ingredientes também não me apetecem. Ainda bem que lhe havia a não sei quantas Marlene para sobremesa, porque ainda não consegui compreender para que são pratos daquele tamanhão com duas ervilhas lá no meio.

    ResponderEliminar
  4. Que maravilha , Carlos
    Dei umas boas gargalhadas :-)

    Um resto de bom dia

    ResponderEliminar
  5. Estou ainda rindo Carlos _ genial o 'deixa pra lá' se 'quero saber se sou cana ou isco' rsrs
    Riquíssima em palavreado que desconheço não por ser parte da famosa nouvelle cuisine e sim por pertencer ao gosto português.
    Salve salve Carlos_ que venham mais croniquetas assim tipo Branca de Neve e quem sabe Romeu e Julieta... rs
    abraços

    ResponderEliminar
  6. Lembro-me vagamente dessa tal crónica e do facto de ir a contra-gosto debicar essa comida para passarinho com nomes que não lembram ao diabo!

    Porém, se a memória não me atraiçoa, a bela Marlene Vanessa, prometeu que, no dia seguinte, iriam comer umas tripas à moda do Porto, não foi?

    Soltei uma bela gargalhada com essa do Santana Lopes e o concerto para violinos de Chopin! Não é que ainda hoje falei nisso com alguém?...
    Ele há coincidências levadas da breca!!

    Faz bem em repescar estas preciosidades, recordar é viver...:)

    ResponderEliminar
  7. Olhando para o prato, essa nouvelle cuisine até para mim é demasiado nouvelle. Uma dose exageradamente pequena!
    Gostei de ler a croniqueta. : )

    ResponderEliminar
  8. Supimpa, Carlos!!
    Eu até gosto de nouvelle cuisine.
    Mas já não é a primeira vez que fico com a sensação de levar um grande barrete.
    Como o do camarão envolvido em molho bechamel, com pequenos apontamentos de salsa frisada australiana, em cama de massa fina
    banhada em pão ralado crocante e confitada em óleo vegetal ... ou seja, um rissol! :)))

    ResponderEliminar
  9. Ao ler esta crónica verifico que sou muito tosca :))) quanto mais tinha preferido a belíssima feijoada!
    xx

    ResponderEliminar