quarta-feira, 16 de março de 2016

Ilusão de óptica




Nos últimos dias, fartei-me de ver e rever imagens das manifs no Brasil. Não é que me interesse muito pelo que as nossas televisões vão dizendo  ( não gosto de ser manipulado), mas havia algo que queria confirmar. Não  haveria pretos nas manifs? Quiçá um índio? É que num país multicultural, não fazia sentido para mim que as imagens só mostrassem brancos, alvíssimos ou tisnados pelo sol de Ipanema, da Barra da Tijuca ou de Florianópolis. Não me parecia nada curial que mesmo na alvar e elitista S. Paulo, não haja pretos descontentes.
Parei imagens, fiz zoom, mas pretos (mesmo pretos, não mulatos) não havia.  De índios nem vestígios. Esta manhã, ao ler o Publico on line  descobri que afinal havia mesmo pretos na manif. Não protestavam. Apenas desempenhavam o papel de figurantes na grande ilusão sociológica que é o Brasil.

7 comentários:

  1. Enfim, o facto de se dizer que " a minha bandeira nunca será vermelha" e pedirem intervenção militar diz tudo...ou bastante, pelo menos.

    No entanto, meu amigo,discordo de Lula aceitar ocupar um ministério

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu, São! Acabo de escrever isso mesmo no meu mural do FB

      Eliminar
  2. Estes manifestantes só se manifestam porque contra quem estão se manifestando sacrificou parte da sua vida para que tivessem esse direito.
    Gostaria de ter visto estes meninos manifestarem-se com a mesma tusa no tempo da outra senhora. Pois é, faltam-lhes os tomates que a imprensa de direita lhes dá.

    ResponderEliminar
  3. Concordo com o seu texto, Carlos. Deixei um comentário no Reflexos do Observador(ainda não publicado)e que vai um pouco nesse sentido e vai em contramão com as opiniões que li. A extrema-direita anda por aí à solta e sem freio e o Brasil não merece cair de novo na ditadura. Entre duas realidades criticavéis, prefiro, de longe,a manutenção do PT. Com Lula? Que seja...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Boa malha!

    No Público, em papel, essas imagens surgiam quase elegíveis e em grande destaque estava outra em que "a bota não batia com a perdigota" tornando, a quem lia à diagonal, qualquer possibilidade de concluir o que aqui está(bem) concluído.

    Presumo que a Direcção do Público não voltará a aceitar colaboração da Kathleen Gomes (Rio de Janeiro)

    Não sei, mas cheiro!

    ResponderEliminar
  5. Só uma coisa me interessa, Carlos.
    E hoje escrevi acerca do tema.
    Dois trambiqueiros que estão a mais, que são vigaristas, sem vergonha.

    ResponderEliminar
  6. Alguém está, de novo, a querer vendar os olhos e o resto aos brasileiros . Espero que não deixem. Contra ventos e marés eu gosto do Lula. E não ouvi as escutas. De Dilma ainda não sei que pensar, penso devagarinho.

    ResponderEliminar