domingo, 20 de março de 2016

Bibó Porto (67)- A Casa dos quantos?


Se durante a visita à Sé, ou à Muralha Primitiva,  este edifício lhe despertar a atenção e perguntar a algum portuense do que se trata, é muito provável obter como resposta que é a Casa dos 24.  Focando-se na arquitectura do edifício, o leitor vai certamente torcer o nariz e duvidar da veracidade da resposta. E tem toda a razão...
È verdade que naquele local, junto à Sé, foi construído, no século XV,um edifício que servia de sede ao poder autárquico,  então conhecido como Casa da Câmara. A localização do edifício, mesmo em frente à Sé, é interpretada como uma mensagem do poder executivo ao bispado.
Já no século XVI, a Câmara passou a reunir na Rua das Flores porque, alegadamente, o edifício ameaçava ruir.
Consta, porém, que a verdadeira razão da mudança não terá sido essa, mas sim a necessidade de dar uma resposta ao Rei D. Manuel que ali mandara instalar  a Casa dos 24, instituição onde tinham assento os representantes dos 12 grémios ( ou mesteres). Ora como as Casas dos 24 ( ou dos 12 em povoações mais pequenas) tinham poder deliberativo, dependendo da sua aprovação as medidas tomadas pelo executivo municipal, as relações entre as duas instituições nunca foram boas. Defendem mesmo, alguns historiadores, que nunca os 24 se reuniram naquelas instalações, em virtude da conflitualidade existente. 
Certo é que no final do século XVI  o edifício estava muito degradado e  passou a ser utilizado como cadeia e refúgio de prostitutas.
Em meados do século passado, a zona da Sé foi alvo de uma grande  remodelação, mas só na década de 90 o edifício da antiga Casa da Câmara ( erradamente chamado Casa dos  24) começou a ser reconstruído, sendo o projecto da responsabilidade do arquitecto Fernando Távora. 
Se visitarem a Torre, poderão verificar que na pedra estão gravados os 100 palmos, confirmando que a altura  do novo edifício é exactamente igual à do anterior, respeitando também a volumetria.

4 comentários:

  1. Excelente este texto que nos fornece importantes informações acerca desta Torre. Se alguma vez por lá passei, sinceramente não prestei atenção, Carlos.
    A minha filha nasceu na Ordem do Terço e foi registada na Conservatória que pertence à Freguesia da Sé, mas sabe que é raríssimo eu passar para aqueles lados?
    Tem sido através destas suas crónicas em prol da divulgação do que a cidade Invicta tem de melhor para oferecer aos que a visitam, que eu me tenho apercebido que não basta estar numa cidade para a conhecer.

    Obrigada! :)

    ResponderEliminar
  2. Agradecida pelas tuas importantes informações, amigo, que confirmaram o que me foi dito quando lá estive no passado ano.

    Te desejo uma estupenda Primavera :)

    ResponderEliminar
  3. Não conhecia minimamente a história do local.
    Sempre a aprender.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  4. Na Páscoa de 2015 andava por esses lados e a minha amiga Beatriz forneceu-me todas essas informações.

    A Primavera no Porto era grandiosa, se não fossem os turistas, sendo os espanhóis os mais barulhentos.

    Abraço da amiga de longe!

    ResponderEliminar