segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Y Viva España?

O BANIF deu-me a volta à cabeça de tal maneira, que até me esquecia das eleições em Espanha
Os resultados prenunciam que "nuestros hermanos" estão metidos num molho de bróculos, pois não se vislumbra qualquer entendimento entre partidos à direita, ou à esquerda, para formar governo.
O mais provável é que, até final de  Janeiro, Filipe VI se veja obrigado a convocar novo acto eleitoral.
Como nota de destaque, gostaria de lembrar que apesar de o PP ter ganho, perdeu mais de um terço dos deputados e que o PSOE não conseguiu capitalizar o descontentamento dos espanhóis, muito por força do PODEMOS que surgiu como um furacão no panorama político espanhol, "roubando"   dezenas de milhares de votos ao PSOE.
Destaque, finalmente, para a elevada abstenção que me leva mais uma vez a interrogar-me: por que razão é que as pessoas desiludidas com a actuação de um partido no governo, preferem ficar em casa, a ir às urnas manifestar o seu descontentamento?

Entretanto num país à beira mar plantado...

Enquanto por cá os ex-governantes mafiosos, digo, pafiosos andaram a varrer a porcaria que fizeram no sistema financeiro para debaixo do tapete, com o intuito de se apresentarem a eleições esgrimindo o trunfo da "saída limpa" ( que se sabe agora ser uma limpeza com merda por todos os lados)  no sempre apelidado de corrupto  mundo do futebol Blatter, presidente da FIFA, e Platini, Presidente da UEFA, foram banidos do futebol durante oito anos, acusados de corrupção e tráfico de influências.
Por cá, os contribuintes que paguem as vigarices estroinices dos governantes, porque a Justiça, leia-se PGR, está-se nas tintas para os presidentes, ex- ministros e governadores que façam trafulhices e enganem os plebeus. A Justiça em Portugal tem costela monárquica e só se interessa por Marqueses...

Esqueletos no armário

Nunca fui tão ordinário nem histérico como Nuno Melo nos ataques a Vítor Constâncio, embora aqui mesmo tenha acusado o ex- governador do Banco de  Portugal de laxismo  no caso do BPN. 
Estava longe de imaginar que, anos depois de Vítor Constâncio ter sido substituído por Carlos Costa, estaria a escrever que " foi pior a emenda que o soneto".  Na verdade, o actual governado do BP tem-se comportado como uma marioneta nas mãos do governo, deixando-se manobrar pela loira do regime que andou dois anos a varrer para debaixo do tapete toda a m.... que foi fazendo à frente do ministério das finanças. ( Se a mulher for assim a limpar a casa, aquilo deve estar pior que uma estrebaria...).
Vem tudo isto a propósito da venda do BANIF ao Santander Totta, anunciada ontem ao final da noite. 
Já há muito se sabia que o BANIF era um problema que iria estourar a qualquer momento, mas só ontem foi tornado público que o anterior governo andou a encanar a perna à rã desde Março, iludindo a própria comissão europeia e ignorando os avisos do presidente do BANIF.
Estamos perante mais um caso em que um grupo de amigos do PSD, usam um banco para financiar um partido ( neste caso o PSDMadeira) à custa dos contribuintes que agora serão chamados a pagar as brincadeiras dos amigos de Cavaco e Passos.
Perante isto, Nuno Melo perdeu o pio e, em conluio com a patroa do CDS, meteu o rabinho entre as pernas e não comenta a situação.
Quanto a Carlos Costa, se tivesse vergonha, já se tinha demitido. Não só por se ter conluiado com o governo para esconder os esqueletos no armário, mas também pela sua disponibilidade para aumentar a opacidade de comportamentos e práticas da entidade reguladora, como aconteceu no caso da contratação de Sérgio Monteiro.