sábado, 7 de novembro de 2015

O Rei dos Leitões

Há três dias que ando para escrever este post, mas só hoje tive disposição para o fazer. Muita coisa teria a escrever sobre a reunião da Mealhada, mas a saúde ainda não me permite fazer grandes esforços, pelo que serei breve, curto e grosso.
Se há alguma coisa que distingue o Partido Socialista, é a pluralidade de opiniões e a liberdade de discussão interna. Por essa razão não me indignei com a reacção de Francisco Assis à possibilidade de António Costa conseguir formar governo com o apoio do BE, PCP e PEV. 
Assis nunca enganou ninguém. É, como muitos outros militantes do PS, genuinamente de direita e para ele os comunistas são gente perigosa em quem não se pode confiar. Não digo que não haja no PCP alguns perigosos matarruanos que ainda vivem em 1917, mas na direita de que Assis não desgosta, por permitir a manutenção de certos equilíbrios "tachistas" no "arco da governação", há gente que não só é pouco recomendável, como deseja ardentemente o regresso aos tempos dos privilégios do Estado Novo de onde nunca saíram.
Embora discorde frontalmente de Francisco Assis e viva -com o empolgamento que o meu estado de saúde permite - este período que nos pode conduzir a um novo capítulo e abrir novos horizontes, eu ter-me-ia inscrito no repasto ( se me fosse permitido, obviamente...) só para poder dizer a Francisco Assis que anda mal acompanhado e na própria sala apontar a dedo alguns militantes cujo comportamento, enquanto desempenharam cargos públicos  foi muito censurável  eticamente e, mesmo, passível de condenação por usurpação de poderes e utilização abusiva de bens do Estado.
Não estive presente mas hoje, ao ver João Proença na SIC Notícias e Álvaro Beleza em todos os canais, não posso calar-me.
João Proença é um canalha ressabiado. Traiu milhares de trabalhadores enquanto esteve à frente da UGT e desacreditou o sindialismo por estar sempre ao lado os patrões. Esperava ter como recompensa da sua sabujice, a eleição para presidente do CES,mas Costa vetou-o em boa hora e o canalha Proença não lhe perdoa.
Já Álvaro Beleza é um caso clínico muito comum nos defensores do arco da governação e da maioria dos seguristas. Dizem uma coisa e o seu contrário com a maior desfaçatez, mentem com a naturalidade de quem bebe um copo de água. Pois esta aventesma que hoje se multiplicou em declarações, zurzindo no acordo que Costa está prestes a alcançar, há cerca de um ano fazia esta afirmação numa entrevista ao Diário Económico:

 
Quando os apoiantes de Assis são desta estirpe, nem sequer vale a pena perder tempo a analisar os propósitos deste  Rei dos Leitões