quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Azeiteiros

A polémica dos cartazes tem servido apenas para desviar a atenção das pessoas sobre o essencial e evitar a discussão, durante a pré-campanha, do que realmente interessa aos portugueses: quais as alternativas que os partidos  lhes oferecem e garantem um futuro melhor?
Enquanto o PS  tarda a mostrar, de forma assertiva, as propostas que diferenciam o seu programa do da coligação e podem devolver a esperança a muitos milhares de portugueses atirados para a miséria pelo actual governo, a coligação esconde os seus propósitos de maior empobrecimento dos portugueses e aumento das desigualdades, se ganhar as legislativas e Outubro..
À coligação o debate sobre o futuro não interessa, porque lhe retira votos . Conta com o beneplácito da comunicação social que, diariamente, veicula notícias encomendadas pelos gabinetes ministeriais, publicando-as de forma acéfala  e acrítica, fazendo crer que o país está muito melhor e os portugueses podem ter esperança no futuro.. Nas redes sociais, o governo vai seguindo a estratégia de 2011, convidando jornalistas e bloggers para almoços, onde vende a sua propaganda que eles depois veiculam na blogosfera, nas redes sociais e também nos jornais onde trabalham.
A polémica dos cartazes é um fait divers que cai como sopa no mel para os interesses da coligação. O PS está a falhar estrondosamente em termos de comunicação, mas só tem a perder se entrar num bate boca aos estilo " os meus são maus, mas os teus ainda são piores". Se a coligação utilizou estrangeiros nos seus outdoors, é bom que se denuncie, mas logo a seguir é importante desferir um ataque político consistente, que abale os alicerces do programa(?) do governo.  
Fazer um pé de vento, porque a coligação utiliza imagens de um tipo que faz publicidade a uma clínica da visão ou uma fulana que enaltece as virtudes de um azeite, é irrelevante. Todos sabemos que os partidos do governo estão prenhes de azeiteiros e de ceguinhos. Os tugas é que se recusam a ver essa realidade.


Ilusionismo

Graças a uma comunicação social acrítica e acéfala, que defende o governo com unhas e dentes em vez de cumprir a sua missão de informar, PSD e apêndice não precisam de se esforçar muito para fazer campanha. O importante é criar a ilusão de que estamos melhor, invocando argumentos que o próprio governo usava como causa da ruína a que chegámos em 2011: vivermos acima das nossas possibilidades.
O aumento do crédito, sobretudo ao consumo, não é uma boa notícia mas, em plena pré campanha, vale tudo para enganar os portugueses e lhes criar a ilusão de que estamos a viver melhor.