terça-feira, 23 de junho de 2015

Viva o acordo ortográfico

O acordo ortográfico está a funcionar em pleno. Pela primeira vez na História, uma acta da CPLP teve duas versões com grafias diferentes

Não digam que eu não tinha avisado (8)

Apesar das mentiras de membros do governo que diariamente lemos, ouvimos e vemos na comunicação social, como se de verdades se tratassem;
Apesar de Passos Coelho estar a tentar transformar as suas afirmações e decisões polémicas em mitos urbanos;
Apesar de o governo martelar os números da estatística, revertendo-os a seu favor, sem que a esmagadora maioria dos órgãos de comunicação social questione o martelanço, alguns membros do governo vão dizendo algumas verdades, aproveitando a confusão informativa.
Depois de Maria Luís Albuquerque ter anunciado o corte nas pensões ( apesar dos cofres cheios) hoje foi a vez de Paulo Macedo admitir um aumento de impostos, para fazer face aos custos do SNS.
Na verdade, esta estratégia parece adequada. Enquanto uns mentem, garantindo que o país está melhor e o pior já passou, outros vão dizendo as verdades e anunciam o que podem esperar os portugueses se a coligação voltara a ser governo.
Eles sabem que os tugas  gostam de ouvir boas notícias e  tendem a esquecer as más. Talvez isso explique os resultados da última sondagem.

E o vencedor é?

Já em Dezembro alertara os leitores do CR para o embuste da gasolina low cost. Tal como então previra, os consumidores em nada iriam beneficiar da obrigatoriedade, imposta pelo governo, de os postos de abastecimento serem obrigados a vender essa gasolina. Entre as razões que então invoquei, disse que em poucos meses o preço dessa gasolina iria ser o mesmo, ou estar muito próximo, da gasolina normal aditivada.
Seis meses depois, confirmam-se as minhas previsões. O preço médio da gasolina low cost está apenas 1 a 2 cêntimos abaixo do preço da normal que, entretanto, desapareceu da maioria dos postos de abastecimento.
Acresce que, nos postos das grandes superfícies, a gasolina low cost continua a ser vendida a um preço bastante inferior ao praticado nos postos das grandes marcas ( Galp, BP, Repsol e Cepsa).
Conclusão: beneficiados com a medida do governo foram as grandes marcas, que aumentaram a sua margem de lucro, e não os consumidores. Parabéns... à prima. A mana que vendeu a TAP não entra nesta história.

É sempre bom lembrar...

..  as mentiras que Passos Coelho vai debitando dia após dia.
Nota: obviamente que este post, quando for publicado já está desactualizado, porque o aldrabão em cada três palavras diz cinco mentiras