sábado, 6 de junho de 2015

Juro que ela é virgem!

Era uma vez um tipo  filho de família abastada que se apaixonou por uma miúda de origem humilde. A família dele não via a relação com bons olhos, mas foi tolerando o namorico, na esperança de que  o rapaz “abrisse os olhos” e  um dia partisse para outra. 
Quando o rapaz comunicou  que ia casar, a família entrou em pânico e decidiu fazer um trato. Se ela ainda fosse virgem, eles não se oporiam ao casamento.
O rapaz, embora sabendo que a rapariga já não era virgem, aceitou o repto com a condição de ser ele a escolher o médico que iria fazer a prova pericial.
A família aceitou, o rapaz decidiu que seria um médico amigo da família da noiva a desempenhar a tarefa. O médico- que por acaso até tinha andado a papar a miúda- não teve quaisquer dúvidas em atestar por sua honra que a rapariga estava tal qual chegara ao mundo. 
A família acreditou e o casamento realizou-se. 
Esta história podia ser pura ficção, mas por acaso não é ( embora tenha ocorrido há algumas décadas). Lembrei-me dela a propósito desta prova pericial pedida pelo governo .

E porque ontem foi Dia Mundial do Ambiente...



... mas pouco se falou dele. 
E porque por aqui pouco se tem escrito sobre ambiente  depois de o Sebastião ter emigrado logo que rebentou a crise e a Brites se ter dedicado ao jet set depois daquele problema em Copenhaga, lembrei-me de dar uma dica ao ministro Moreira da Silva:
- Já que o fim dos sacos de plástico em Portugal resultou em maior desemprego, que tal aprender a inovar, com este japonês?