sexta-feira, 22 de maio de 2015

Nervoso miudinho

A direita está muito incomodada com o apoio de Eanes  a Sampaio da Nóvoa. É uma boa notícia

Que grande lata!

Em pré campanha eleitoral, Passos Coelho  dá uma entrevista por semana. Hoje, o feliz contemplado foi o Observador. Já todos sabemos que o pm é aldrabão, sem carácter e incompetente mas  o  que   é arrepiante constatar  na entrevista ao Observador são as contradições  ao longo da entrevista.
Há também uma inflexão no seu discurso que seria risível, não se desse o caso de demonstrar até onde pode chegar  a falta de vergonha e a pulhice de Passos Coelho.
Em vésperas de eleições passou a defender a moralização da administração pública; admite que os funcionários públicos são mal pagos; considera a redução da TSU proposta pelo PS um erro,  mas admite que a redução dessa mesma TSU para os patrões pode ser um caminho a seguir ; está preocupado com a possibilidade de não haver orçamento para 2016 em tempo útil, por causa da data das eleições, mas foi sempre contra a sua realização em Junho; diz que uma campanha sobre o medo só beneficiaria o PS, mas ao longo da entrevista vai  esgrimindo argumentos que incutem precisamente esse medo; diz que na campanha de 2011 nunca prometeu que não baixaria os salários (aqui apeteceu-me mandá-lo à fava no mais puro vernáculo portuense).

E- pasmem- tem o topete de dizer que é preciso despartidarizar a administração pública, depois de ter nomeado centenas de chefias do PSD e do CDS, atropelando o parecer da CRESAP e nomeando pessoas por ela chumbadas.
Não o diz expressamente, mas admite um corte nas pensões. E, claro,  justifica todas as aldrabices, dizendo que foi enganado pelo PS.
É preciso ter uma grande lata, ser um trapaceiro  e um vigarista para dar uma entrevista destas. Mas é  preciso, também, contar com a bonomia e condescendência  de David Dinis para não ser desmascarado durante a entrevista.

Notícias da Primavera



A Primavera (árabe) só nos tem trazido boas notícias, como sempre previram jornalistas especializados na área internacional.
Metade da Síria já  está nas mãos do DAESH que ontem ocupou Palmira. Espera-se a destruição de mais um pedaço do Património da Humanidade, perante o aplauso dos entusiastas da Primavera árabe.

Encontro de gerações


Já é um sucesso a nível mundial este video de promoção do Rali de Portugal feito pela câmara de Baião. Vale mesmo a pena ver.

O Farol das Amoreiras


Blogonovela "O Ilusionista de Trapalhândia
4º episódio: O Farol das Amoreiras

Ao fim de 20 lições de dicção, Hannibal já pronunciava com desenvoltura "supercalifragiliespiralidoso", mas continuava a engasgar-se com o "Rato que roeu a rolha da garrafa do rei da Prússia". 
As suas preocupações, no entanto, eram outras. Na iminência da entrada de Portugal na CEE precisava de aplicar os truques que engendrara para convencer os tugas que com ele seriam felizes. Os ventos da História estavam do seu lado e traziam até Portugal a Internacional Consumista que será a sua maior aliada.
O primeiro sinal de que a Internacional Consumista podia estar a chegar a Trapalhândia não veio do cometa Halley que nesse ano visitou de novo a Terra, anunciando a comercialização do telemóvel. Veio da URSS com a chegada de Gorbatchov ao Poder. Anos depois emprestaria o seu nome a uma pizza. A Perestroika é palavra de ordem e a solidariedade do mundo contra a fome desperta, com um sinal de esperança, no mega concerto Live Aid, que põe o mundo a cantar "We are the World".
Em Trapalhândia, os tugas fazem filas. Para levantar dinheiro no multibanco e preencher os boletins do totoloto, na esperança de equilibrar o orçamento familiar. As agências de viagens andam numa azáfama a organizar excursões de todo o País para Ulisseia. Motivo: nas Amoreiras acaba de ser inaugurado o farol da sociedade de consumo à tugalesa - o Centro Comercial das Amoreiras.
Trapalhândia entra formalmente para a CEE no dia 1 de Janeiro de 1986 e o primeiro bébé proveta a nascer no País já é um cidadão comunitário. Ambos os acontecimentos podem ser registados com as novas máquinas fotográficas descartáveis. No Hospital de Santa Cruz faz-se a primeira transplantação cardíaca. A medicina tuga vive um ano de glória.
Acaba o papel selado e começa o "Cartão Jovem" . A sociedade de consumo proclama eufórica :"Venham a mim as criancinhas".
"Era Uma Vez na América" enche as salas de cinema, enquanto a campanha de Freitas do Amaral sob o lema "P'ra Frente Trapalhândia" é feita ao bom estilo americano. Mário Soares "é fixe" e ganha as eleições em Fevereiro, mas quem vai p'rá frente é a sociedade de consumo. A D. Branca está presa, mas a Bolsa faz a sua vez e os tugas entram em euforia bolsista. O vai-vem Challenger explode com sete tripulantes a bordo. Pausa no programa de voos tripulados. Os tugas passam a voar nas asas do sonho, por sua conta e risco…

(Continua)
VER EPISÓDIOS ANTERIORES AQUI