sábado, 25 de abril de 2015

A minha " Primeira Vez"

Era uma soalheira manhã de Primavera, que apelava aos sentidos. Estava trajado a rigor e a custo disfarçava o nervosismo provocado pela ansiedade da minha primeira vez . Na sala havia uma fila de homens à minha frente, aguardando. Muitos eram jovens como eu e não tinha dúvidas que para eles também seria a primeira vez. Tal como eu, disfarçavam o nervosismo contando anedotas e algumas histórias de uma vida ainda com muito para desfiar. Alguns, mais velhos, tranquilizavam-no.:
"É natural que estejam nervosos, mas vão ver que vale a pena." -avançou um "Tomara eu que a minha primeira vez tivesse sido assim"- disse um velhote ao passar por nós. Outro, emigrante, afiançava:" Em França é que é bom!"
Todos olhavam para o meio da sala onde ela se expunha, apelativa, aos nossos olhares gulosos. Era linda e deixava-nos em devaneio cada vez que repousávamos o olhar sobre ela.
À medida que me aproximava e lhe percebia melhor os contornos, imaginava o momento emocionante. Assim que depositasse naquela fenda todo o vigor da minha vontade, iria aprender a ser homem!
Finalmente chegou o momento. Aproximei-me, trémulo. Uma senhora aparentando 40 anos olhou-me com um sorriso. Estendeu-me um papel e disse-me:
- "Vá até àquela cabine, preencha o papel e volte cá".
Assim fiz. Quando saí, as pernas tremiam-me. Abeirei-me dela. Olhei-a com enlevo e, num gesto súbito, penetrei-a com vigor, manifestando-lhe o meu desejo e pedindo-lhe para não me desiludir .
Tinha acabado de votar pela primeira vez na minha vida.
Faz hoje 40 anos!

Porque recordar é viver!

Há 40 anos era assim!

Adeus!

Não sei o que o alcagoita vomitou hoje na AR. Não sei se falou de boca cheia, se teve um xilique, se apoiou o governo  e cascou no PS, ou apelou mais uma vez  ao consenso.
Tal como Mário Soares, não tenho pachorra para ouvir  as bacoradas do inquilino de Belém que vive à conta do contribuinte e declarou sentir-se bem enquadrado no regime do Estado Novo.
A única coisa que sei é que foi a última vez que foi à AR mandar uns arrotos no 25 de Abril. E isso é uma boa notícia.
Adeus! 
Aviso: este post, como os de ontem e de amanhã, foram pré agendados. Peço por isso desculpa aos leitores se sua anibalidade excelentíssima tiver proferido alguma bacorada com resiliência e este post estiver completamente fora do contexto.